quarta-feira, janeiro 15, 2014

#6 - Bling Ring - A gangue de Hollywood (Bling Ring), de Sofia Coppola

Faz tempo que Sofia, a filha de Francis, não entrega um filme realmente à altura da alcunha familiar. Desta vez, a diretora leva as telas uma história real adaptada a partir de uma matéria escrita para a famosa revista Vanity Fair - uma espécie de periódico de fofoca para os bem vestidos (fashionistas, me xinguem) - sobre um grupo de jovens mimados e bem nascidos que roubava as mansões de astros de Hollywood enquanto eles estavam fora.

A ação toda era facilitada pela mídia que segue os passos dos famosos. Bastava a um dos cabeças da gangue entrar no Google para achar um website que não só indicava o endereço das vítimas, como também expunha de forma assoberbada suas agendas. Os objetos a furtar eram sempre os mesmos: joias, carros, vestidos, sapatos, relógios e qualquer outra coisa de grife.

A pergunta, Sofia Coppola, é por que cargas d'água a senhora resolveu filmar isso?

Tecnicamente, verdade seja dita, é possível perceber durante a projeção de Bling Ring que Sofia tem o que é preciso para um bom cineasta. A edição é boa, há planos bem bolados e a trilha sonora funciona. No entanto, o argumento falha bisonhamente, grotescamente, pateticamente, em apresentar uma critica ao star system hollywoodiano. A cena que tenta fazer isso, lá pros minutos finais, é constrangedora - tanto na interpretação de Emma Watson, ela mesma vítima do tal star system criticado, quanto no diálogo pífio e acadêmico que se segue.

Pra que isso, Sofia?

2 comentários:

Kamila disse...

Sempre considerei a Sofia Coppola como uma das diretoras mais superestimadas da atualidade. Ainda não tive tempo de conferir "Bling Ring", mas já sei que posso encontrar o filme no Netflix, então entrou na minha lista de "filmes a assistir" por lá.

Douglas Nogueira disse...

Achei o tema pertinente. Pelo que li antes, nunca uma quadrilha assaltou tantas casas em Hollywood - e com tanta facilidade. E olha que nem eram "ladrões profissionais". Isso sem levantar a questão social da parada.

O filme despertou a minha curiosidade e li o livro, escrito pela mesma jornalista da Vanity Fair. Sim, há a crítica ao Star System, mas percebi um ataque muito mais duro ao público. Tanto no filme quanto no livro, o x da questão é como essa molecada idolatra o estilo de vida de gente que chegou à fama por motivos geralmente fúteis. Paris Hilton ficou célebre graças a um vídeo íntimo de saliência.

Bom, um dos personagens (não lembro qual. Todos me parecem iguais) diz em certa parte do fim que a gang queria ter o estilo de vida dos "artistas". Acho isso muito perturbador. Não há uma aspiração a ser bem-sucedido. Há uma aspiração a viver como a Lindsay Lohan. Triste.

PS. A garota que inspirou a personagem da Emma Watson continua querendo ser famosa. Esse é o blog dela: http://itsalexisneiers.com/