quinta-feira, março 21, 2013

#16 - Pindorama - A verdadeira história dos 7 anões, de Roberto Berliner, Lula Queiroga e Leo Crivelare

Documentários precisam de personagens. É a chave para que essa linguagem possa ser explorada de forma a prender o espectador na poltrona. E quando o objeto documental é interessante, o filme faz sentido por si mesmo - a proposta ganha forma naturalmente, quase espontaneamente, seguindo um curso que muitas vezes deixa diretores e produtores à deriva. Um argumento que tem bons personagens se apruma logo. É o caso de Pindorama - A verdadeira história dos 7 anões, documentário que retrata a vida de sete irmãos, todos anões, que mantém um circo em atividade no nordeste brasileiro.

A rotina é dura, o lucro é pouco e a fama é questionável. Pindorama é um circo regional nos moldes antigos, daqueles que são montados e desmontados da noite para o dia, com lona gasta e pano de roda desbotado. O documentário dirigido por Roberto Berliner, Lula Queiroga e Leo Crivelare se apoia, acertadamente, em dois caminhos diferentes. O primeiro é estético: as cores, os tons e os sons de uma arte que é cada vez mais rara no Brasil. O segundo é fetichista: o fascínio e a estranheza que anões podem provocar no público simplesmente por serem adultos muito pequenos.

Todos os sete irmãos, cinco homens e duas mulheres, têm suas vidas esmiuçadas. Compartilham histórias bonitas, tristes, dramáticas e românticas - do mesmo tamanho e intensidade que as nossas, de estatura dentro do padrão global. Seus parceiros, familiares e amigos, que vivem no entorno do circo, também ganham voz. Há, inclusive, depoimentos de pessoas que fugiram com o circo, numa das formas mais poéticas de rebeldia e emancipação, que ainda é possível somente nesse pequeno universo explorado pelo filme. Vale ressaltar a trilha sonora, composta por Lula Queiroga. Um show à parte, que complementa com sutileza a fala dos personagens.

Pode parecer que não há lá muitos objetivos em Pindorama, ou que o roteiro não justifique o trabalho. No entanto, o resultado é um divertido e inusitado estudo sobre o comportamento humano. Este, então, o motivo pelo qual vale tanto a pena investir no cinedocumentário.

Agradecimento especial a minha querida amiga Anna Julia, que me emprestou o filme, e com quem compartilho, além de uma certa visão de mundo, o apreço pelos documentários.

Um comentário:

Kamila disse...

Está numa fase de documentários, hein, Dudu??? Gosto do trabalho do Roberto Berliner, especialmente como diretor de videoclipes, e achei o objeto de estudo desse "Pindorama" muito interessante. Anotei a dica aqui e espero poder conferir o filme.