sábado, fevereiro 02, 2013

#8 - Febre do rato, de Cláudio Assis

Desde o seu primeiro filme, Cláudio Assis é partidário do barulho, da provocação, da querela. Foi assim com Amarelo manga e depois com Baixio das bestas. O problema é que, até então, seu discurso cinematográfico era refratado, alterado, irado demais. Conclusão: acabava sendo taxado de prolixo, ainda que seus filmes tivessem um argumento enxuto e bem trabalhado. Agora, com Febre do rato, o cineasta parece tem achado o seu sweet spot, a maturidade que necessitava para que seu trabalho fosse lido da maneira correta.

O roteiro conta a história de Zizo Poeta - interpretado pelo talentoso Irandhir Santos -, um artista marginal que escreve poesias anarquistas e contestatórias sobre o seu dia a dia, vivendo na região mais pobre de Recife. Em seus textos, publicados num fanzine que dá nome ao filme, deixa exposto o abismo social e a dura realidade de uma cidade que tem como apelido Hellcife. Um verdadeiro caldeirão borbulhante que cheira a enxofre, mas que o acolhe de forma obtusa. Graças a uma direção mais amansada e menos raivosa, Assis consegue retratar com clareza a estética de uma típica metrópole brasileira, que ele conhece a fundo.

Os pelos pubianos em excesso estão lá (inclusive os da protagonista da novela das oito, Nanda Costa) e os pênis oscilantes, também. Há putaria, palavrão pra caralho e aquela dose de perversão sexual e sodomia, alegorias das quais Assis não abre mão. No entanto, tudo está em seu devido lugar. A edição funciona, com planos bem construídos. Trilha sonora, para variar, ótima, a cargo do talentoso zumbi Jorge dü Peixe. O texto, baseado nas poesias de Zizo, que existe fora das telas, é bastante interessante. Tudo isso sublinhado pela fotografia estonteante, em preto e branco, de Walter Carvalho - inclusive, 50% do filme deveria ser creditado a ele.

A saber, febre do rato é uma gíria recifense que designa uma pessoa fora de seu estado normal. Ao que parece, Assis deve ter tomado paracetamol ou algo que o valha, e fez desse filme o seu trabalho mais maduro e consistente.

2 comentários:

Kamila disse...

Ainda não assisti a "Febre do Rato", mas os elogios que ando lendo sobre o filme, incluindo os seus, mostram que esta é uma obra imperdível!

Beijos!

Joaopedrogpc disse...

Filme excelente, vale a pena ver a entrevista do Cláudio Assis no programa Matador de Passarinho (Canal Brasil): http://www.youtube.com/watch?v=3cdCjwZryNE