sexta-feira, dezembro 23, 2011

#78 - Em casa para o Natal (Hjem til jul), de Bent Hamer

Dezembro é o mês dos filmes de Natal, a grande maioria voltada para a família, enaltecendo valores e dando lições de vida. Talvez pela primeira vez em anos, chega ao circuito uma produção natalina que não é estadunidense e nem se trata de uma comédia de costumes. Alguns desavisados podem escolher o norueguês Em casa para o Natal como programa vespertino às vésperas das festas de fim de ano. No entanto, estejam avisados: trata-se de um drama sobre quem, justamente, não gosta de Natal.

O argumento é mais do mesmo: na fatídica noite comemorativa, vários personagens perambulam pela cidade em busca de conforto e redenção espiritual. Suas histórias são contadas de forma paralela. Devido ao curto espaço de projeção, além do tempo dramático mais lento do que o habitual, nenhuma delas é bem desenvolvida. Apenas uma - a de um pai que é proibido pela ex-mulher de voltar para casa para festejar o Natal com os filhos - merecia um filme à parte. De resto, um amontoado de clichês faz de Em casa para o Natal uma produção como outra qualquer. Tem neve, tem Papai Noel, tem ceia, tem musiquinha tristonha, tem gente aprendendo com os erros, tem gente fazendo autoanálise e tem até – pasmem - um parto que evoca o nascimento de Jesus. A diferença é que todos falam norueguês. Ou quase todos: há um médico que fala inglês.

O desfecho é particularmente constrangedor, com a contemplação de uma aurora boreal esverdeada banhando um céu estrelado. A conexão narrativa com a boa sequência inicial só é desvelada ao final, e é capaz de frustrar ainda mais a experiência do espectador. Ou seja, o Natal ainda será, este ano, uma época de safra irregular para o circuito cinematográfico. Nem os países nórdicos foram capaz de salvar a data.

Um comentário:

Kamila disse...

Esses filmes são totalmente clichês, mas eu ADORO! rsrsrsrs Anotei a dica! :)

Beijos e Feliz Natal pra você e sua família!