domingo, dezembro 11, 2011

#74 - Submarino, de Thomas Vinterberg

Thomas Vinterberg foi um dos participantes do movimento Dogma, encabeçado por Lars Von Trier como um exercício cinematográfico que se opunha à ideia de cinema como mero produto. Sem dúvida, Vinterberg aproveitou ao máximo a experiência. Tornou-se conhecido internacionalmente com o tenso Festa de família. Agora, com Submarino, o diretor demonstra uma capacidade espantosa de retratar dramas humanos.

O roteiro conta a história de dois irmãos cuja mãe é uma alcoólatra desgostosa da vida. Por isso, são eles que cuidam de um bebê. No entanto, uma tragédia marca para sempre a vida de ambos. Separados pelas circunstâncias, acabam se reencontrando. O espectador acompanha, com requintes narrativos, a trajetória de cada personagem.

Gustav Fischer Kjærulff e Jakob Cedergren, os dois irmãos protagonistas, impressionam pela entrega a seus personagens. A fotografia, cheia de claridade na infância, e escurecida na idade adulta, contribui para o clima de desolação. Trata-se de uma experiência bastante intensa. E válida.

O trocadilho pode soar infame, mas Submarino é sobre isso mesmo: até onde o ser humano aguenta a submersão.

2 comentários:

Kamila disse...

Do Thomas Vinterberg, só conheço mesmo "Festa de Família". Fiquei curiosa por esse filme, especialmente porque gosto de longas que exploram a dinâmica de um relacionamento familiar.

Beijos!

renatocinema disse...

Adoro o estilo o movimento Dogma.

Festa de Família eu amo.

Submarino tinha me atraído através de uma matéria de revista de cinema.....seu texto colocou a última cereja para que eu assista o filme.