sexta-feira, novembro 18, 2011

#62 - Um novo despertar (The beaver), de Jodie Foster




Desde o seu filme sobre Jesus e as declarações tidas como antisemitas, Mel Gibson nunca mais foi o mesmo. Colecionou um punhado de polêmicas e acabou sumindo do mapa - ou melhor, de Hollywood. Jodie Foster, que vez em quando se arrisca na direção, resolveu dá-lo um papel que lhe caiu como uma luva. E aí, permitam-me o trocadilho: caiu-lhe como um fantoche.

Em Um novo despertar, o eterno Mad Max interpreta um pai de família em depressão profunda. Com sérias dificuldades em se comunicar, acaba ficando sozinho, é abandonado pela mulher e fica desacreditado por seus funcionários na loja de brinquedos que herdou do pai. Quando encontra na lata de lixo um fantoche de castor, sua vida muda. Ele começa a se relacionar com o mundo através do boneco.

A história é triste, melancólica e com um desfecho bastante forte e angustiante. Pela complexidade do papel, Gibson merece reconhecimento. Constrói o protagonista com bastante competência. Foster cumpre bem os seus dois papeis, de atriz e diretora.

Verdade seja dita: por mais louco que seja - agora sem trocadilhos - Mel Gibson é um ótimo ator.

2 comentários:

Kamila disse...

Eu gosto do Mel Gibson como ator e diretor e fico feliz de ver ele retomando a carreira dele, com uma ótima performance, dirigida pela grande amiga dele, Jodie Foster. Ainda não conferi esse filme, mas fiquei curiosa.

Beijos!

FRACTALIS EDITORA disse...

Gibson e Foster, bela combinação.