terça-feira, outubro 18, 2011

#55 - Drive, de Nicolas Winding Refn



Desde Bronson, ficou claro que Nicolas Winding Refn era um diretor para se ficar de olho. Enquanto isso, na Europa, Drive chamava a atenção do público e da crítica. Por aqui, só líamos a respeito. Foi então que o filme venceu a Palma de Ouro de Melhor Direção em Cannes. Tornou-se, logo, uma das sessões mais aguardadas do Festival do Rio. E com razão.

Não seria exagero algum colocar Drive no posto de melhores do ano - quiçá o melhor. Trata-se de uma produção que sabe tirar proveito de cada detalhe técnico. Ou seja, a montagem deveria ganhar um prêmio também. A estética de Drive remete aos filmes de ação da década de 80. Da tipografia ao figurino, é como uma viagem ao tempo em que anti-heróis ainda eram iconoclásticos.

Para começar, um roteiro fantástico, enxuto, econômico na medida certa, sem exageros e com personagens bem delineados. Apesar de ser um filme de ação, Drive aposta muito mais em pequenos clímax do que em perseguições mirabolantes. Nisso, há um quê de David Lynch em cada fotograma. O elenco é espetacular, com Ryan Gosling protagonizando um dublê que dirige carros nos sets e, nas horas vagas, faz bico atrás do volante para bandidos em fuga. Sem armas, ele oferece aos clientes cinco minutos de seus serviços.

A música é um detalhe a parte, que merece um parágrafo só para ela. Dizem os créditos de abertura que o compositor a cargo dela é Angelo Badalamenti. Até era para ser o sujeito responsável pelas trilhas de Lynch, mas não foi. Quem compôs a música de Drive, magistralmente inspirado por Badalamenti, foi Cliff Martinez. Por que o nome dele não aparece nos créditos é um mistério. Basta dizer que a trilha é sublime e acrescenta à trama um clima misterioso que dá charme ao filme. A canção de abertura, "Nightcall', do DJ e produtor Kavinsky, com sintetizadores à moda 80, define bem a proposta de Drive.

Em uma palavra: imperdível!

5 comentários:

Kamila disse...

Segunda excelente crítica que leio sobre este filme que, cada vez mais, me deixa ansiosa para ver o que ele irá nos reservar.

Beijos!

Leela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Leela disse...

Puxa, eu não consegui gostar do filme por causa do Ryan Gosling. Embora eu tenha gostado de alguns elementos que você até citou, eu não consigo respeitar esse cara. É uma implicância crônica, eu acho, haha!

Beijão.

Joel G. Gomes disse...

Muito sinceramente, excelente selecção de títulos. Os meus parabéns!

Felipe primo disse...

Simplesmente espetacular!