quarta-feira, outubro 12, 2011

#49 - Juan dos mortos (Juan de los muertos), de Alejandro Brugués




Sala completamente lotada, com muita gente sentada no chão, para ver um filme cuja origem, por si só, já valia a curiosidade. Vem de Cuba, dona de uma bela escola cinematográfica, escassamente distribuída internacionalmente, uma produção independente de baixo orçamento sobre zumbis, Juan dos mortos. A primeira sessão de um filme latino no Festival desse ano contou com a presença do diretor - e roteirista - Alejandro Brugués, que apresentava seu trabalho à primeira plateia latina. Nervoso, receoso com a recepção do público, controlado à base de três chopes e duas caipirinhas, fez um breve discurso antes da projeção.

No entanto, bastou a cena de abertura para que o diretor relaxasse: ali, ganhou a multidão rapidamente. Do começo até o fim, Juan dos mortos é um filmaço! O roteiro é fantástico, com reviravoltas bem boladas e uma série de piadas que tiram sarro da política internacional, do embargo estadunidense e do cotidiano da ilha de Fidel. Não à toa, os zumbis são chamados de "dissidentes". Em uma cena, quando observam pela janela os mortos-vivos andando sem rumo, um deles conclui que tudo está como sempre esteve.

Acompanhamos a saga de Juan, um pescador de quinquilharias, para sobreviver. Quando Cuba é tomada por uma infestação de zumbis, que o governo teima em escamotear, ele e seus amigos enxergam uma oportunidade. Criam, então, uma empresa que, segundo o slogan, "mata os seus entes queridos". A turma de caçadores de zumbis é hilária, com um excelente trabalho de interpretação. A fotografia e a edição são extremamente bem cuidadas, tecnicamente perfeitas.

Assim, Alejando Brugés vai costurando uma trama que mistura de forma perfeita o terror e a comédia - o filme é mais cômico do que assustador, diga-se de passagem. Os clichês dos grandes clássicos do gênero estão lá. Vale ressaltar que Juan dos mortos é muito melhor do que duas outras produções de sucesso - com orçamento milionário, diga-se de passagem - que tratam do assunto zumbi: Shawn of the dead e Zumbilândia.

Resultado: ao término da sessão, o diretor ouviu, atônito, cinco minutos de aplausos. De um público de pé.

Um comentário:

renatocinema disse...

Preciso ver esse filme....urgente.

Quero aplaudir essa obra.