quinta-feira, setembro 15, 2011

#42 - The Creeper, de Peter Carter


Taí o primeiro filme da minha caixa de 50 clássicos do cinema B - não confundir com a caixa dos 50 clássicos do cinema de horror, por mais que vários clássicos do primeiro sejam do gênero do segundo. Lançado em 1979, dois anos após ser produzido, The Creeper, também conhecido como Rituals, é uma pérola dos slasher movies (aqueles filmes no qual há um assassino que passa a faca em todo mundo) porque se consolidou, mesmo com o tempo, como um patinho feio no lago do terror, subvertendo algumas máximas que foram amplamente usadas por Jason, Myers, Leatherface e cia.

O roteiro conta a história de cinco médicos bem sucedidos que cumprem um ritual (daí o título alternativo, apesar de tresloucado) sagrado: uma vez por ano, vão até uma região remota nas montanhas canadenses para se isolar do mundo e pescar. Tudo vai bem na primeira noite. No entanto, ao amanhecer, os sapatos de quatro deles desaparecem misteriosamente. O que ficou calçado sai em busca de explicações. E não volta mais. É quando eles percebem que há alguém - ou alguma coisa - à espreita.

Os pontos interessantes na trama são vários. Em primeiro lugar, não há jovens fazendo sexo ou fumando maconha para serem punidos sumariamente. O grupo de cinco protagonistas são senhores de idade, pós-balzaquianos, com carreiras sólidas. Ou seja, nada de mulheres com peitinhos desnudos correndo esbaforidas. Depois, há um personagem abertamente homossexual, que em determinado momento, inclusive, fala de seu drama pessoal. Outro ponto interessante é que o assassino nunca aparece cumprindo seu ofício - há apenas uma câmera por trás do mato que enxerga as vítimas.

De resto, as atuações não são lá tão convincentes. Muita gritaria, histeria etc. Mas e daí, né? A cópia também é bem comprometida, com fotogramas arranhados e bem escurecidos. Mas e daí também, né? O roteiro é meio torto, com alguns buracos - sequer é explicado direito como o assassino planejou a coisa toda. Repito: mas e daí, né?

É um ícone, indiscutivelmente. Aos fãs do gênero, vale o confere!

2 comentários:

Kamila disse...

Eu não sou fã do gênero, mas conferiria...

Beijos e bom final de semana!

renatocinema disse...

Adoro filme B. Adoro trash.

Planeta Terror fez uma bela homenagem.