sexta-feira, fevereiro 11, 2011

#8 - O discurso do rei (The king's speech), de Tom Hooper


Um dos grandes favoritos ao Oscar de Melhor Filme deste ano, O discurso do rei tem tudo o que um costumeiro vencedor do tal prêmio presica ter: um total de 12 indicações, argumento baseado em uma história real, trilha sonora emocionante e um roteiro repleto de lições de vida que fogem do convencional. Mais ainda, e talvez o grande trunfo, a trama se passa no tortuoso e negro período no qual a Inglaterra declara guerra à Alemanha nazista de Hitler.

Acompanhamos, no entanto, uma outra batalha. A saber, a tentativa do monarca e imperador George VI de dar cabo a uma gagueira que o impede de fazer discursos ao seu povo via ondas de rádio. Encorajado pela mulher, a rainha Elizabeth, ele busca os serviços de um ator australiano que tem o dom da locução. Sob métodos nada convencionais, os dois começam a desenvolver uma sólida amizade, que extrapola a relação secular entre rei e súdito.

O brilhante no filme de Tom Hooper é o elenco - a maior parte indicada ao prêmio em suas respectivas categorias. Colin Firth, como protagonista, constrói um angustiado rei de forma irrepreensível. A sempre ótima Helena Bonham Carter empresta seu talento à rainha. Porém, é Geoffrey Rush quem rouba a cena no papel do extravagente fonoaudiólogo Lionel Logue.

Tecnicamente, O discurso do rei é perfeito. Porém, na parte dramática, o argumento é mais interessante do que o roteiro em si. Em todo o caso, não haverá espanto caso os indicados precisem, assim como os personagens, discursar em público durante a noite de festa da academia.

6 comentários:

renatocinema disse...

Quero assistir esse filme. Mas, depois de Cisne Negro.......tudo parece pequeno.kkkk

Kamila disse...

História simpática, num filme tecnicamente feito sob medida para agradar à Academia. Gosto da forma humanizada como a Família Real britânica foi tratada aqui. Bem diferente do visto em "A Rainha".

Robson Saldanha disse...

Caramba, faz tempo que não apareço por aqui. Então, gostei de O Discurso do Rei mas acho que ele tá longe de ser essa maravilha toda que pintam. É um filme inteligente, bem feito mas bem convencional. Não creio que seja algo que se tornará atemporal, se é que me entende!

Andreia Gouveia disse...

Gostei muito do filme! Era o meu preferido ao Óscar!
Colin Firth desempenha um papel sublime. A visão do realizador é transmitida de uma forma espectacular!
Gostei do teu blog. **

Rafael Carvalho disse...

Filme bonitinho, fofinho, redondo, não se arrisca nunca. Tem bons momentos, mas não tem muita coisa pra dizer. Filme esquecível, apesar de Oscar.

A Especialista disse...

eu assisti e amei! realmente, Lionel rouba a cena.