sexta-feira, dezembro 31, 2010

#100 - As diabólicas (Les diaboliques), de Henri-Georges Clouzot


Clouzot foi um dos grandes diretores do cinema francês, na vanguarda de um cinema contemporâneo, com linguagem apurada. Considerada uma das grandes obras de suspense da história do cinema, sem exagero algum, As diabólicas é um exercício cinematográfico único. Lançado em 1955, o filme prende o espectador na poltrona do início ao fim, com reviravoltas brilhantes.

O roteiro é sensacional! Uma mulher infeliz no casamento planeja a morte de seu marido, um perverso e cruel professor. Para levar o plano a cabo, tem a ajuda de uma secretária. Após envenenar o sujeito, as duas jogam o corpo dentro de uma piscina imunda, de águas turvas, na tentativa de simular um afogamento. Porém, ao esvaziarem a piscina, o corpo não está mais lá. Está dado o ensejo para uma história incrível que mistura suspense e terror de forma bastante original, com um desfecho genial.

É uma das grandes obras do suspense - pau a pau com Psicose. Inclusive, um fato curioso: Clouzot comprou os direitos da obra que deu origem ao filme horas antes de Hitchcock.

3 comentários:

Célio disse...

Ainda não tive a oportunidade de ver esse filme. Mas sempre que leio sobre ele, sempre dizem que ele é um dos melhores suspenses de todos os tempos. Pena que teve uma refilmagem horrível, Diabolique, com Sharon Stone e Isabelle Adjani.

Ah, sim! Feliz ano novo para vc e sua família.

Rafael Carvalho disse...

Esse filme é mesmo um primor de tensão. Clouzot se apega ao suspense mais bruto e latente, criando uma atmosfera que se sufoca em sua própria premissa, e na tensão da personagem que procura respostas para aquela situação. Obra-prima, de fato.

Vulgo Dudu disse...

Celio, você que curte o bom cinema, veja esse o quanto antes. Filmaço!

Rafael, Clouzot é o cara! Fico impressionado com os filmes do cara.

Abs!