sexta-feira, novembro 05, 2010

#87 - Ondine, de Neil Jordan


Tá parecendo mesmo que só há atualização por aqui na sexta-feira... Enfim, vamos ao que interessa. Mais uma estreia bacana no circuito. O novo filme de Neil Jordan, Ondine, tem um roteiro intrigante e bastante inteligente quando comparado à mesmice que assola a indústria cinematográfica hollywoodiana. Adianto aqui que vale o confere. O elenco dá um show à parte. Confira a resenha que escrevi para o Jornal do Brasil, logo abaixo.

O ponto de partida de Ondine, novo trabalho do diretor irlandês Neil Jordan, é bastante interessante: um solitário pescador se depara, inexplicavelmente, com uma misteriosa mulher embaraçada em sua rede de pesca, em pleno mar aberto. A partir daí, tem início uma espécie de fábula que mistura o mito das selkies (focas que, ao retirarem suas peles, se tornam mulheres) com os enredos comuns aos contos romanescos. Aos poucos, Syracuse (Colin Farrell, num de seus melhores papeis) começa a se envolver com Ondine (a bela e sensual Alicja Bachleda), acreditando que ela pode, de fato, ser uma sereia – teoria encampada por sua filha, Anny (a surpreendente Alison Barry).

O capricho estético do filme, com uma fotografia densa e escura, ajuda a contar a história, que tem seus traços melancólicos sublinhados. A trilha sonora ajuda. Ambientado na Irlanda, a direção de arte tira proveito das águas acinzentadas e do horizonte carregado de nuvens pesadas para contextualizar uma história de amor conflitante, que deixa a dúvida no espectador até os momentos finais. Por isso, Ondine é um filme que pode agradar a quem não aguenta mais a mesmice das histórias de amor que andam sendo escritas pelos roteiristas hollywoodianos.

11 comentários:

renatocinema disse...

Depois de assistir Nó na Garganta é impossível não respeitar Jordan. Todos os seus trabalhos devem ser apreciados e respeitados.

Kamila disse...

Gosto pra caramba do enredo deste filme e gostaria muito que ele estreasse em minha cidade. Mas, acho muito difícil isso acontecer.

Beijos!

Rafael Carvalho disse...

O tom fantasioso é o que logo me chamou atenção nesse filme. O fato de ser dirigido por Neil Jordan é um diferencial a mais, o que só aumenta minhas expectativas. Vejo assim que puder.

Helena Costa disse...

Desculpe pelo comentário off-topic, mas a causa é boa:
Acontece amanhã, 8 de novembro, em toda a Rede Cinermark (428 salas dos 52 complexos) o XI Projeta Brasil Cinemark que exibirá as principais produções brasileiras lançadas entre novembro de 2009 e outubro de 2010. Os espectadores poderão assistir a filmes nacionais por apenas R$ 2. Entre os longas-metragens do XI Projeta Brasil estão títulos como ‘Tropa de elite 2’, ‘Nosso Lar’, ‘Chico Xavier’, ‘Sonhos Roubados’, ‘Xuxa em O Mistério de Feiurinha’ e ‘É proibido Fumar’. Ao todo, mais de 30 filmes estarão disponíveis para o espectador. A programação completa e demais informações você encontra no site do Projeta Brasil: http://www.cinemark.com.br/acao/projetabrasil.html. O vídeo está disponível para link ou download no YouTube: http://migre.me/23oOA

Maria disse...

Olha que bom, tá passando em JF!!! Vou ver quarta feira :)

Cristiano Contreiras disse...

Sou fã do trabalho de Neil Jordan - inclusive, adoro o "A Premonição" que muitos criticaram. Esse eu vi tem um mês e gostei bastante do argumento, atuação de Farrell e fotografia do filme.

abs

Vulgo Dudu disse...

Renato, de fato, o cara tem um talento incontestável. E é talvez isso mesmo que faça com que Ondine supere as expectativas.

Kamila, taí um filme que valeria a pena, hein?

Rafael, e o mais bacana é que a dúvida permanece até os segundos finais, de forma bastante inteligente.

Helena, para esse tipo de comunicado, fique à vontade!

Maria, depois corre aqui para dizer o que achou, combinado?

Cristiano, o filme tem tudo para lhe agradar!

Bjs e abs!

Robson Saldanha disse...

Eu o/.

Não aguento mais as mesmices de histórias de amor... fiquei curioso por esse filme, não conhecia!

alan raspante. disse...

A premissa dele é muito interessante!
Estou bastante curioso!

Maria disse...

realmente, o filme é uma delícia. pra mim, todo filme que me faz sair do cinema com algumas indagações é bom (mas isso é assunto para um post meu, quem sabe?).

e eu adoro isso do espectador só saber da verdade no final. prefiro assim!

beijo, querido!

Pedro Henrique disse...

Eu não curti muito, apesar de admirar alguns trabalhos do Jordan. Esse movimento fantástico do cinema dele, de jogar com elementos "irreais", a priori, me agradam. Mas Ondine é um filme interessante justamente por isso que você disse: um filme que pode agradar a quem não aguenta mais a mesmice das histórias de amor que andam sendo escritas pelos roteiristas hollywoodianos.