terça-feira, junho 08, 2010

#44 - Bigger Stronger Faster, de Chris Bell


O título cairia bem a um filme pornô, mas não é nada disso. O subtítulo tenta explicar melhor as três palavras realçadas: os efeitos colaterais de ser um estadunidense. Chris Bell, um sujeito que pratica fisiculturismo e levantamento de peso, vai buscar respostas para o crescimento exponencial do uso de esteroides anabolizantes - drogas que ele jura nunca ter utilizado. Com uma câmera na mão, ele busca entrevistar atletas, médicos e até a própria família, uma vez que seus dois irmãos são usuários regulares de anabilizantes.

Nascido em uma típica família estadunidense de classe média, religiosa e conservadora, Bell começa a questionar por que somente ele dentre os três irmãos foi o único que não desenvolveu apreço pelos esteroides. Vai buscar também compreender os estereótipos de perfeição vendidos pela mídia desde a época em que era preciso afirmar ao mundo o estilo de vida de seus conterrâneos. Schwarzenegger (apesar de ser austríaco), Hulk Hogan e Stallone, todos anabolizados, porém patrióticos, eram exemplos a serem seguidos.

O argumento também procura entrar na polêmica criada a partir da proibição do uso dos medicamentos nos esportes. E aí a maionese desanda. Ia tudo muito bem, até Bell começar a defender que os anabolizantes não são tão perigosos assim e que não deveriam ser banidos do esporte. As questões levantadas, com o discurso autorizado de especialistas no assunto, é até substancial. Porém, destoa completamente da proposta inicial sublinhada no próprio título do filme. Não se pode criticar o uso desenfreado de anabolizantes para depois tentar convencer o espectador de que eles não são tão nocivos quanto se pensa. O documentário acaba se tornando, invariavelmente, uma peça dicotômica. E isso, no cinedocumentário, é uma falha incorrigível.

Uma pena, porque o roteiro é bom. No fim das contas, não dá para entender qual foi o real objetivo de Bell com o filme: denunciar ou desmistificar o uso esteroides anabolizantes.

5 comentários:

Kamila disse...

Poxa, que pena que o documentário desanda depois. A história dele é muito interessante.

Beijo!

Airton disse...

poww deve ser louco emm...

http://publicandobr.blogspot.com/2010/06/filme-medio-musica-grande.html

passa la

Vulgo Dudu disse...

Kamila, ele é bem feitinho, mas peca nessa falta de direção do argumento. No fim das contas, você fica se questionando o que o diretor quis com tudo isso...

Airton, é muito louco!

Bjs e abs!

Kassio disse...

Eu discordo. Acho o documentario bem feito. O que o autor quis passar é que os efeitos colaterais dos esteróides não são o problema em si! O problema é a sociedade americana que praticamente exige que os atletas se utilizem de esteróides para competir, mas, em contrapartida, condena o uso. Então a sociedade em si é nonsense e não documentário. Talvez isso não tenho ficado claro para algumas pessoas que assistiram.

Danilo disse...

Bom post, amigo, mas devo corrigi-lo em alguns pontos: Chris Bell, o autor do filme, é, sim, usuário de anabolizantes e deixou isso claro no filme, ao contrário do que vc escreveu no primeiro parágrafo do post.

Quanto ao filme "desandar", discordo totalmente. O que começou apenas como uma crítica substancial ao estilo de viver e de pensar de uma América ultra-competitiva - pautada pela busca de vantagem injustas, aqui simbolizada pelos esteróides -, enfim toma um rumo científico, ainda crítico e imparcial.

As pessoas formaram tal opinião sobre as "bombas" que simplesmente não enxergam quando os fatos roçam-lhe as barbas e acabam confundindo a apuração dos reais efeitos da droga com "apologia". Anabolizantes têm seu lugar no mundo como qualquer outra droga e deve ser, sim, estudada e dissecada JUSTAMENTE.