sexta-feira, maio 28, 2010

#40 - Em teu nome, de Paulo Nascimento


Estreou hoje no circuitão Em teu nome, filme dirigido por Paulo Nascimento que traz a biografia de um guerrilheiro do Grupo dos 70, movimento que lutou contra o regime militar no Brasil. O filme é até bem produzido, mas falta profundidade - tanto no conteúdo, quanto na atuações, por mais que os atores tenham sido premiados no Festival de Gramado. Algumas sequências sofrem dessa superficialidade num tema que precisa, para funcionar na tela grande, de bastante ritmo. Escrevi uma resenha para a Revista Programa, do Jornal do Brail, mais ou menos como vai escrito abaixo.

O cenário de constantes tensões políticas que o regime militar instaurou no Brasil foi capaz de engendrar verdadeiros dramas particulares - todos repletos de elementos que, aos olhos das gerações que não conheceram o impudente cerceamento da liberdade, soam como histórias cinematográficas. Assim foi a trajetótia de João Carlos Bona Garcia, o Boni: um militante de origem humilde que aderiu à luta armada na década de 70 e se tornou, anos mais tarde, um articulador do processo de anistia. Em teu nome traz os percalços vividos por Boni, da opção pela guerrilha ao exílio forçado, adaptados à linguagem cinematográfica.

Dirigido por Paulo Nascimento e premiado com quatro Kikitos no 37º Festival de Cinema de Gramado, Em teu nome tem acertos e delizes. De positivo, o nítido esmero com o qual toda a equipe se entrega às filmagens. Na parte técnica, é um filme quase perfeito. Direção de arte, figurino e montagem são particularmente destacáveis, ajudando a contextualizar a turbulenta época em que se dão os fatos. Porém, mesmo com um roteiro enxuto e baseado em fatos verídicos, falta profundidade dramática em certas sequências. O elenco, apesar de esforçado, não rende a ponto de fortalecer o discurso que o argumento propõe. Ainda assim, Em teu nome é um exemplar correto de um cinema engajado, sem perder a ternura.

5 comentários:

Kamila disse...

Acho curioso que, na maior parte do texto, você critica o filme negativamente, mas acaba recomendando-o no final. Eu veria somente para prestigiar nosso cinema!

Beijos!

jeff disse...

Já estava afim de ver por ser nacional. Você não é o primeiro que faz um comentário um tanto negativo, mas eu não desanimei. Espero que ainda fique um tempinho em cartaz - o que é MUITO difícil se tratando de filme brasileiro.

Sobre o comentário sobre Saló, eu concordo com exatamente tudo que você disse. Obrigado pela visita, Dudu!

[]s!

karina maia disse...

O filme é excelente. É reflexivo.Ao tratar de um assunto tão delicado da História teve êxito ao explorar o lado humano das pessoas. Sem ficar dogmático, nem piegas. É um drama histórico, talvez o comentarista não tenha levado em conta esse fato ao dizer que o filme não é profundo, provavelmente.

Airton disse...

Opa estava pensando...nunca vi um longa sobre esse assunto vou dar uma olhada nesse
passa lá
abraço

Vulgo Dudu disse...

Kamila, acho que é justamente por ter essa vontade de prestigiar o cinema brasileiro que eu não detonei mesmo o filme. Ele é um filme esforçado, mas não convence na questão dramática. Devo ser voto vencido, já que os atores venceram prêmios, mas as atuações são muito artificiais, o que acaba distanciando o conteúdo. Mas a história, em si, é bacana.

Jeff, provavelmente vai ficar muito pouco tempo em cartaz. É um filme, como cotei, regular. Mas eu, particularmente, gosto de histórias passadas naquela época.

Karina, bem-vinda por aqui! Que bom que você achou o filme excelente, porque eu acho que ele peca justamente no que você diz ser o ponto alto. Só porque o filme tem cunho histórico basta para ser profundo? Nem basta, na minh aopinião. E não estava me referindo ao conteúdo histórico - até porque, no primeiro parágrafo, falo de quão bacana é a trajetória do Boni. Me refiro, sim, à profundidade dramática, que não sustenta a profundidade do argumento. Os atores não rendem. A ação acaba ficando superficial, distante do argumento. É quase piegas, apra usar suas palavras(ah, nem falei isso no texto, mas a trilha sonora é bem piegas). Ainda assim, cinema é como traseiro: cada um tem o seu. O comentarista em questão, ou seja, eu aqui, levo um monte de coisas em conta antes de escrever uma resenha... rs!

Airton, se você quer ver um excelente filme sobre a época, sugiro "Pra frente Brasil". Aproveite que é época de Copa do Mundo, tem a ver!

Bjs e abs a todos!