quinta-feira, dezembro 24, 2009

#137 - Coraline, de Henry Selick


Na época, eu perdi a cabine de imprensa de Coraline, mas acabei levando para casa o press kit, que continha um exemplar do livro do Neil Gaiman. Resolvi, então, que a tal brochura seria minha leitura de banheiro. Portanto, a cada evacuada, um capítulo.

Como meu intestino funciona muito bem, levei exatos 13 dias para dar cabo da história de uma menina que descobre uma porta que a leva para uma dimensão paralela, onde tudo é muito melhor – incluindo os pais. Aos poucos, ela vai descobrindo que a mãe do outro lado tem intenções não muito amistosas.

O filme tem algumas diferenças do livro, que até ajudam a tornar a história menos assustadora e mais comercial, apesar de já ter ouvido relatos de pais nada satisfeitos ao término da projeção. A animação é bacana e tem lá seu charme. A trama também é bem bolada, e traz uma mensagem, ainda que torta, sobre a importância de valorizar a família.

No entanto, recomendo Coraline apenas para as crianças que já têm algum contato com o realismo fantástico.

2 comentários:

Kamila disse...

Eu concordo que este filme não é dirigido para todas as crianças. Para mim, acabou valendo a pena por causa do visual bem diferente e muito bem apresentado pelo diretor.

Beijos!

Vulgo Dudu disse...

Kamila, o visual é bacana mesmo. Acaba sendo despretensioso, o que é positivo. A quantidade de amigos meus que são pais e reclamaram do filme, nossa, é assustadora!

Bjs!