quinta-feira, dezembro 03, 2009

#130 - À procura de Eric (Looking for Eric), de Ken Loach


Ken Loach é o cara por trás de belíssimos filmes de cunho político e social, como Pão e rosas e Ventos da liberdade. Portanto, quando o circuito oferece uma nova realização do diretor, a expectativa é bastante alta. Ainda mais com a chuva de elogios rasgados que À procura de Eric recebeu.

A premissa é bastante divertida: Eric Bishop (o ótimo Steve Evets) é um carteiro em crise existencial e cheio de problemas familiares. Como grande parte dos ingleses (e, por que não, dos brasileiros?), ele tem no futebol o seu refúgio. Torcedor fanático do Manchester United e admirador do famoso jogador Eric Cantona, começa a receber a visita do craque francês depois de fumar um baseado. Cantona começa a dar lições de vida ao seu xará, usando todo a seu experiência como ídolo.

Apesar do tom cômico, o filme mantém um discurso social, utilizando a família de Eric como artifício para falar da falta de perspectiva da classe média britânica. Tudo vai muito bem. Até chegar o terço final, quando Loach resolve montar um desfecho farsesco, que destoa um pouco do resto do roteiro. Apesar de não ser desinteressante, a resolução da trama se dá por vias inverossímeis demais, abandonando uma perspectiva mais profunda nos conflitos pessoais do protagonista.

Vindo de Ken Loach, esperava muito mais. Ainda assim, é mais filme do que muita porcaria em cartaz por aí.

3 comentários:

Márcio Silva disse...

Júnior Baiano os cacetes, Eric Cantona era verdadeiro rei da tesoura voadora. E agora no cinema! Que momento!

Rafael Carvalho disse...

Dudu, acho que desde o início, a partir das aparições do Cantona, o filme adota um tom de farsa, de fábula, e o tom ingênuo da sequência final é mais um golpe do filme que traz um frescor pouco visto nos filmas mais politizados do cara. David Evets está ótimo.

Vulgo Dudu disse...

Márcio, meu querido, Pode crê que ele era o cara! rs... Nos créditos finais tem uma cena dele, numa coletiva de imprensa, que é impagável! Aproveite para ver enquanto está nos cinemas!

Rafael, pois é... O tom farsesco se dá logo no começo, mas ele permanece entrelaçado com as questões sociais que o Loach aborda tão bem, em todos os seus filmes. Achei aquele final, pra dizer a verdade, bobo demais - apesar de bem bolado visualmente. Ele simplsmente elimina a questao social que estava abordando durante todo o resto do filme.

Abs!