quarta-feira, outubro 07, 2009

#113 - Big River Man, de John Maringouin



Na minha opinião, o que define um bom documentário é o interesse que o personagem desperta. A imprevisibilidade do comportamento humano é algo que, quando capturado diante das telas, coloca o documental em uma posição muito além do argumento meramente proposto. Um sujeito que é ex-viciado em jogo, professor de violão flamenco, enólogo nas horas vagas, figurante em filmes de ação, garoto-propaganda e jurado de concurso de beleza já reúne predicados suficientes para ser objeto documental. Melhor ainda se for um nadador nato, recordista mundial de grandes travessias. O esloveno Martin Strel é tudo isso, além de já não ser tão jovem, estar acima do peso e não abrir mão de uma cerveja gelada.

O foco de Big River Man é a tentativa de nadar toda a extensão do Rio Amazonas. Porém, basta deixar a câmera ligada para se ter uma ideia de quem é Martin Strel: um esloveno humilde, porém famoso em sua cidade natal, e que goza de certo prestígio entre chefes de estado e políticos influentes. Quase sempre calado e com um largo sorriso no rosto, é saudado por onde quer que passe. Não é multado quando estaciona em local proibido e nem é importunado pela polícia quando dirige embriagado. Tem contratos vitalícios para frequentar um moderno parque aquático e dirigir um carro importado.

Com braçadas fortes, nadou os rios Danúbio, Mississippi e até o poluído Yangtzé, em jornadas que duravam cerca de dois meses. O motivo, alegava, era chamar a atenção das pessoas para as causas ambientais. Portanto, o Rio Amazonas, além de significar a quebra de seu recorde pessoal, também se encaixa perfeitamente na proposta ecológica.

O filme se torna mais denso e interessante quando o espectador percebe que nem ao mesmo a equipe que acompanha Strel sabe quem ele realmente é e quais são os verdadeiros motivos que o levam a arriscar a vida nadando. Muito mais do que uma aventura aquática, a travessia do Rio Amazonas se transforma em uma jornada de grandes proporções, guardando surpresas - nem sempre agradáveis - para todos que embarcaram nela.

Posso afirmar, sem dúvida, que se trata de um dos melhores e mais insólitos documentários dos últimos anos. Há uma versão maior da resenha lá no site da M... Para ler, clique aqui!

Ainda dá tempo...

QUI (8/10) 22 Estação Ipanema 1

4 comentários:

Kamila disse...

É torcer pra este documentário chegar aqui em Natal. Fiquei curiosa! :-)

Beijos!

T1460 disse...

De fato, as características apresentadas já tornam o personagem digno de um documentário.

Alex Gonçalves disse...

Estou pegando gosto por documentários somente agora e tenho que dizer que fiquei impressionado por todas essas habilidades desse tal de Martin Strel (que nunca ouvi falar!). Pelo foco da obra, parece um "O Equilibrista" aquático, rs.

Vulgo Dudu disse...

Kamila, tomara que chegue! Se não chegar, vale a pena caçar um torrent.

T1460, o cara é sensacional! Basta ler as frases que estão no cartaz no filme.

Alex, é mais ou menos por aí mesmo: é um filme que faz um perfil psicológico de uma pessoa realmente diferente. Vale muito a pena!

Bjs e abs!