sexta-feira, setembro 11, 2009

#94 - Caro Sr. Horten (O'Horten), de Bent Hamer


Há filmes que, com extrema simplicidade, conseguem contar uma história concisa. É o caso de Caro Sr. Horten, uma produção norueguesa que empresta um olhar humanista à história de um homem solitário às vésperas de se aposentar do ofício de maquinista. Pontual e discreto, se atrasa para a última viagem depois de uma noite incomum. Está dado o ensejo para uma crise pessoal na qual o Sr. Horten vai repensar toda a sua vida.

Quem faz o papel do carismático protagonista - esse aí do cartaz, segurando o cachorro no colo - é o excelente Baard Owe. Com uma caracterização enxuta, consegue deixar transparecer toda a linha de pensamento do personagem. Situações insólitas, poucos diálogos e planos contemplativos fazem parte do recheio do filme e podem cansar os mais acostumados ao estruturalismo hollywoodiano. Porém, o início e o desfecho compensam, cheios de simbolismos e belas imagens.

O filme foi o candidato da Noruega ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro deste ano. Trata-se de uma obra bem acabada e que entretem, justamente, pela tal simplicidade.

5 comentários:

Kamila disse...

Adoro filmes assim, que são simples e acabam nos surpreendendo. Se puder - e tiver a oportunidade - devo conferir!

Beijos!

T1460 disse...

Eu já me sinto culpado em chegar atrasado nos dias normais de trabalho. Um atraso no último dia seria pior ainda.

Vou conferir também!

Vulgo Dudu disse...

Kamila, é um filme bem simples. Bem simples mesmo, sabe? Mas ao mesmo tempo tem seu charme...

T1460, pior do que se atrasar, no filme, é ser metódico e solitário. O filme usa o atraso para falar sobre isso.

Bjs e abs!

Rafael Carvalho disse...

Proposta interessante a desse filme, Dudu. É o tipo de obra que se esconde entre os grande lançamentos e podem ser grandes surpresas. Verei assim que tiver oportunidade.

Vulgo Dudu disse...

Rafael, é um filme que de vez em quando fica cansativo. Mas chegar até o fim é recompensador. Sabe como é?

Abs!