terça-feira, julho 21, 2009

Teatreiro, eu? - "O ateliê voador", de Valère Novarina


Com certa frequência vou ao teatro. Gosto muito! Por isso, a partir de agora, quando a peça for muito boa, vou postar aqui uma breve resenha. Aliás, já devia ter feito isso com outros espetáculos que conferi esse ano, como "Rock'n'roll", "A farsa da boa preguiça", "Ato" e "O palhaço Jurema e os peixinhos dourados" (o nome soa infantil, mas a peça é uma porrada na cara, muito bem dada).

Para a estreia da coluna, a estreia da peça de um excelente ator - que antes de mais nada é também um excelente amigo, o Renato Livera. Foi ele quem nos convidou, a mim e a minha mulher, para assistirmos à peça "O ateliê Voador", texto do dramaturgo francês Valère Novarina - que ganhou uma espécie de retrospectiva dentro do Ano da França no Brasil.

O texto original, com cerca de seis horas de encenação, foi muito bem traduzido e editado para cerca de 120 minutos de apresentação. É uma crítica extremamente ácida e sarcástica ao sistema de exploração do indivíduo que produz, ganha pouco e acaba seduzido pelo fetiche do consumo, entrando em um ciclo vicioso. A peça conta a história de um casal de empregadores que contrata seis empregados. Inicialmente, eles obedecem cegamente às instruções. Porém, ao longo da peça, o medo de um levante e a falta de perspectiva criam uma tensão entre explorador e explorado.

Trata-se de um texto de cunho político, sem dúvida. Porém, o tom é de comédia escrachada e absurda. Muitas vezes, os diálogos são elípticos, sem um sentido imediato. Porém, a ideia central está sempre escrachada no palco. A língua, ou a falta dela, inclusive, é uma alegoria importante na crítica de Novarina. Mutilada pelo explorador, é ela quem por muitas vezes delimita e tolhe o pensamento da mudança.

A encenação, adaptada ao teatro de arena do SESC Copacabana, é perfeita. Embora o texto tenha sido escrito há cerca de 40 anos, o jogo teatral se dá de forma contemporânea, com elementos cênicos surpreendentes. Os atores estão em perfeita sintonia, tanto na preparação corporal quanto na dramatização. Convencem, e muito! Destaque para o incansável Renato Carrera, que faz o empregador Sr. Boucot.

Foi um prazer enorme rever o Renato. Melhor ainda no palco. Vejam-no também, pois vale muito a pena!

Servição!

Local: Espaço SESC – Arena (Rua Domingos Ferreira, 160 – Copacabana. Tel. 2547-0156)
Horário: Quinta a sábado às 21h e domingo às 19h30
Preço: 16,00 (inteira), 8,00 (estudante, classe artística e maiores de 60 anos) e 4,00 (comerciário)
Classificação etária: 14 anos
Temporada: 17 de julho a 02 de agosto

10 comentários:

Guilherme Augusto disse...

Muito bom seu blog, gostei :)
Também escrevo sobre cinema, pelo menos é o que acho hahahahaha

Airton disse...

opaa curti cara..apesar de nao gostar mto de teatro parece legal...a comedia para disfarçar um texto politico eh sempre legal hehe

http://publicandobr.blogspot.com/2009/07/as-grandes-amizades-do-cinema.html

as grandes amizades do cinema

confira

Leonardo Sacco disse...

Ola.
Tudo bem?

Trabalho com o Núcleo de Relacionamento e Disseminação em Mídia Social, empresa que presta consultoria ao Governo de Minas, com o objetivo de aproximar cidadãos.

Entro em contato, pois como o blog fala sobre cinema, gostaria de lhe enviar algumas informações - via email - sobre projetos e iniciativas do setor no estado de Minas Gerais. Caso tenha interesse, peço que entre em contato pelo email: leonardo@webcitizen.com.br . Duvidas, sugestões e críticas, fico à disposição.

Abs e obrigado.
Leonardo Sacco.

Pedro Henrique disse...

Pô, bacana, já pensei em falar sobre teatro lá no blog, mas não tenho ido muito (nem no cinema). A peça parece ser legal, gostei da resenha.

Abs!

Kamila disse...

Faz tanto tempo que não vou ao teatro....

Beijos!

altieres bruno machado junior disse...

Olá Eduardo

Não tenho o hábito de ir ao teatro. Na minha cidade o teatro fica meio fora de rumo e os ingressos para as peças geralmente são bem caros. Mas sei que isso não é desculpa ; )

Abraços e até mais.

Vulgo Dudu disse...

Guilherme, bem-vindo por aqui!

Airton, vez em quando o humor pode ser mais afiado que o drama, não é?

Pedro, eu vou com bastante frequência ao teatro. E vejo tanta coisa boa, mas tanta coisa boa, que me sinto movido a resenhar! Lhe encorajo a fazer o mesmo!

Kamila, que tal programar um teatro no próximo fim de semana? rs...

Altieres, eu lhe entendo. Mas digo uma coisa também (e talvez seja porque o Rio tem muita oferta de teatro): as melhores peças que eu vejo não me custam mais de R$ 15... É só fugir do circuitão.

Bjs e abs, pessoal!

Alex Gonçalves disse...

Dudu, passei a pensar mais no teatro depois que vi no início deste mês a peça "Aquela Mulher", com a Marília Gabriela e direção de Antônio Fagundes. Eu adorei e deu aquela vontade de comparecer mais na prefeitura daqui da minha cidade, que tem o Teatro Municipal. Mas os ingressos são caros (há peças que custam R$60,00 por cabeça) e aqueles com o menor valor ou exibidos até mesmo gratuitamente são cruéis tanto pelos dias e horários infelizes que são exibidos tanto por aquele povo imbecil e acha que pode fazer baderna só porque está em um evento gratuito.

Gostei da nova seção em seu blog. Acompanharei os textos das suas futuras experiências no teatro.

jeff disse...

Ai, o horário pra mim é péssimo, mas fiquei com uma vontade do cacete de assistir. Faz tempo que não vou ao teatro, a última peça que assisti foi "A Lenda do Príncipe que Tinha Rosto", bem legal até. E tive que passar o semestre passado fazendo resenha das peças que assistia para a faculdade, então confesso que esse post não me trouxe lembranças muito boas. haha

[]s!

Vulgo Dudu disse...

Alex, é o que eu comentei: aqui no Rio tem muita oferta de teatro. E as melhores peças que eu vi me custaram menos de R$ 15. As pessoas insistem em ver peças de R$ 100 e depois reclamam que teatro é caro. Caro são as peças apoiadas em atores globais, com altos orçamentos e patrocínios de grandes empresas. Algumas são boas, sem dúvida. Mas há teatro para todos os bolsos!

Jeff, se eu fosse você eu ia, hein? Hoje é dia 27 de julho - ou seja, é a última semana. Não perca!

Abs!