domingo, junho 14, 2009

#60 - Santiago, de João Moreira Salles


Documentários como Santiago me tornam cada vez mais apaixonado pelo gênero. Esmiuçar a vida de personagens reais é um desafio monumental para qualquer diretor. Trabalha-se com a imprevisibilidade, com o inusitado, praticamente sem um roteiro. O filme de João Moreira Salles, que na verdade é um recorte de uma obra inacabada, é uma verdadeira aula de cinema!

Há alguns anos, durante alguns dias, o diretor coordenou uma série de entrevistas com o Santiago, mordomo que trabalhou para sua abastada família enquanto morou na famosa casa na Gávea, onde hoje funciona o Instituto Moreira Salles. Ao levar as filmagens à ilha de edição, achou que faltava coesão ao material. Acabou por engavetar o projeto. Porém, pouco depois, fez uma nova empreitada. Ao invés de contar a história sobre Santiago, João Moreira Salles resolve falar também sobre a tentativa de se fazer um documentário sobre um ex-empregado - sem desviar o foco do personagem, mas compartilhando a experiência de montagem do filme.

O resultado é arrebatador! Em primeiro lugar, porque Santiago é uma figura incrivelmente singular. Homem de bastante cultura, devotou grande parte de sua vida à servidão e ao estudo e catalogação da história da nobreza mundial, em documentos meticulosamente arranjados. São cerca de 30 mil páginas, datilografadas em uma antiga máquina de escrever, que contam histórias diversas. O próprio mordomo conta, ele mesmo, suas memórias, em uma espécie de narrativa quixotesca - nos deparamos com a dúvida constantemente, muito comum na maioria dos planos documentais. É justamente esse o outro ponto de interesse em Santiago: o filme envolve toda a questão de memória. Não somente as lembranças do mordomo, mas também as do diretor.

O lirismo e o cuidado com a narração fazem de Santiago uma obra de arte. Um documentário aparentemente simples, mas que fica impregnado na cabeça horas após a exibição. Consolida o nome de João Moreira Salles como um dos maiores cinedocumentaristas do país - até mesmo quando está envolvido pessoalmente com o argumento.

Aplausos. Muitos aplausos!

10 comentários:

Airton disse...

opaa
fiz uma homenagem pro john wayne no blog vai la...
aki bota meu blog no sua lista de links hasuhaushaus

abraçoo

Kamila disse...

Todo mundo fala muito bem de "Santiago", mas eu nunca tive a oportunidade de conferir o filme. Também gosto de documentários, ainda mais quando eles possuem um assunto interessante, o que parece ser o caso deste longa.

Rafael Carvalho disse...

Cara, também acho esse filme sensacional. Fiquei com ele na cabeça bastante tempo depois que eu vi. E não só a história do Santiago que é interessante, mas principalmente a forma autocrítica como o próprio Moreira Salles olha para si mesmo, enquanto membro de uma classe alta e elitizada, enquanto jovem sem noção de significância de sua condição social. É um filme de redenção e poucas vezes vemos num filme um cineasta dar a cara a tapa, como faz excepcionalmente o Moreira Salles aqui. Aproveita e dá uma aula de cinema, e das boas.

Vulgo Dudu disse...

Kamila, então é um prato cheio para o seu deleite! Acabou de sair em DVD. Será que não tem numa locadora por aí? Alugue, tenho certeza que você vai gostar!

Rafael, tem toda a razão: misturar uma experiência pessoal no argumento é tarefa muito difícil, pois o filme pode soar planfetário. Tem que ser um ótimo diretor. E João Moreira Salles é o que temos de melhor em matéria de cinedocumentário!

Bjs e abs!

T1460 disse...

Não sou fã de documentários, mas posso pensar melhor no assunto caso encontre uma cópia deste. Me pareceu interessante, pelos comentários.

Vulgo Dudu disse...

T1460, se você não curte, talvez não seja um filme recomendável. Até mesmo porque trata-se de um argumento que fala sobre o fazer documental...

Abs!

Emerson de Oliveira disse...

Cara, eu gostaria de saber onde encontrar pra comprar, alugar, baixar, etc..., tanto Santiago, quanto 6 Histórias brasileiras, alguém pode me ajudar?
Valeu!!

Vulgo Dudu disse...

Emerson, na maioria das videolocadoras que fazem acervo é capaz de você encontrar uma cópia para aluguel. Quanto a comprar, isso pode ser feito no site da VideoFilmes. O problema é o preço. Aliás, o catálogo deles é espetacular!

Abs!

Victor Perez disse...

O que eu achei mais impressionante neste filme é a obsessão do artista que deixa escapar a última oportunidade de uma relação afetuosa com o Santiago. Como o proprio narrador acaba assumindo, a relação entre os dois nunca deixou de ser de empregador e empregado!

lmmc disse...

assisti e amei! eu também amo o documentário que ele fez do nelson freire! quanta sensibilidade...

o do nelson eu tenho.
o santiago nao acho pra comprar. está fora de catálogo em todos os lugares....

tristeza!