sexta-feira, maio 08, 2009

#51 - Vixen!, de Russ Meyer


É, dessa vez Russ Meyer errou a mão. Vixen! é o primeiro filme do diretor que me causou certa estranheza e não me agradou nem um pouco. Trata-se de uma produção recheada de polêmicas e tabus, o que poderia ser um prato cheio para Meyer.

Mulheres de seios fartos e cenas de sexo, de fato, não faltam. A bem fornida Erica Gavin, ex-dançarina que voltaria a estrelar grandes sucessos de Meyer, interpreta a ninfomaníaca Vixen Palmer. Casada com um piloto de avião, a moça vive em uma espécie de pousada nas montanhas canadenses. Enquanto o marido voa em busca de turistas, ela sacia seu apetite sexual com quem aparecer na sua frente: seja com um guarda florestal, com a mulher de um cliente (em uma demorada cena de lesbianismo) e até mesmo com seu irmão! Só não aceita abrir as pernas para o negro Niles, estadunidense fugitivo que recusou servir ao exército do seu país - e que serve como contraponto para um confuso discurso sobre deveres patrióticos e racismo.

O roteiro só ganha ritmo mesmo lá para o terço final, quando um irlandês comunista (?) resolve sequestrar o piloto para uma viagem até Cuba. Aí a maionese desanda por completo! O que se vê são diálogos políticos sem pé ou cabeça. Um negro, um comunista, uma ninfomaníaca e um corno discutindo a alguns metros de altitude. Poderia ser engraçado, divertido, curioso, mas não é. É patético na pior acepção da palavra.

Os planos mirabolantes, o sexo absurdo, os enquadramentos diferenciados e a estética singular, que fizeram de Meyer um grande diretor, ficaram de fora.

Uma pena...

9 comentários:

Kamila disse...

Que pena que este filme não tenha te agradado tanto quanto as outras obras do diretor.

Beijos e bom final de semana!

nitzombies disse...

caramba, nunca tinha ouvido falar do Russ Meyer... mas me pareceu interessante.. hehehe

Vulgo Dudu disse...

Kamila, acho que todo grande diretor tem uma mancha no currículo, né? Tomara que essa seja a única do Meyer! Em breve, mais filmes dele por aqui. Aguarde!

Nitzombies, o cara é um dos expoentes do exploitation. Reocmendo começar com Faster, pussycat! Kill! Kill!, que está resenhado por aqui!

Bjs e abs!

Airton disse...

opaa
cara esse filme nao me atraiu mto heheh

Sérgio Déda disse...

Sinceramente nunca ouvi falar deste diretor hehehe

Abraço

Pedro Henrique disse...

Não gosto também. E recentemente me decepcionei com outro grande diretor, John Huston, por ocasião de Freud - Além da Alma, onde vi o primeiro filme ruim do diretor.

Abs!

Vulgo Dudu disse...

Airton, os seios fartos de Erica Gavin não podem fazer você mudar de ideia? rs...

Ségio, Meyer é um dos precursores do exploitation. Um dos meus diretores favoritos. Portanto, recomendo! Mas esse filme em particular é fraco.

Pedrão, Eu já havia me decepcionado com Houston, mas já sabia que o filme ia ser um fiasco. É que antes de ver A glória de um covarde eu li o livro "Filme", da Lillian Ross, que acompanhou durante anos todo o processo de filmagem e lançamento. Aliás, é um livraaaaaaço, um clássico do jornalismo literário e um deleite par aos cinéfilos. Recomendo!

Abs!

T1460 disse...

A mistura de personagens parece de fato incomum.

Vulgo Dudu disse...

T1460, e conhecendo o potencial do Meyer, ele poderia ter extraído disso cenas absurdamente boas. Porém, o que fica é um discurso politizado completamente confuso e sem nexo. Uma pena...

Abs!