sexta-feira, abril 10, 2009

#39 - Delírios de consumo de Becky Bloom (Confessions of a shopaholic), de PJ Hogan


Semana retrasada eu fui à cabine de imprensa de um filme realmente constrangedor: o tal Delírios de consumo de Becky Bloom, a mais nova comédia do diretor PJ Hogan, o cara por trás de O casamento do meu melhor amigo e O casamento de Muriel. Pois bem, o filme estreia hoje no circuito.

Conta a história de uma jornalista viciada em compras (quase um paradoxo) que deve milhões às operadoras de cartões de crédito. E, pasmem, durante todo o filme ela não cancela nem um deles.

Quem me segue no Twitter já sabia a minha opinião sobre a obra. E sabia também que, na sexta-feira, entraria uma resenha no site da Revista M... Lá está ela. Para ler, clique aqui!

Quem quiser, pode comentar lá também, ok? Há um espaço para comentários na capa da seção Críticos de M...

7 comentários:

T1460 disse...

Gostei no blog! Vi nessa semana, mas esqueci de fazer qualquer comentário maior.

- cleber . disse...

Mais um pobre filme!

Vulgo Dudu disse...

T1460, muito obrigado! Fique à vontade por aqui!

Cleber, precisamente: um pobre filme!

Abs!

Otavio Almeida disse...

Rapaz, ainda não vi o filme, mas não espero muita coisa não. Se bem que essa garota estava bem divertida em PENETRAS BONS DE BICO.

Abs! Boa Páscoa!

Alex Gonçalves disse...

Dudu, vou lá no M..., mas tu já sabe que eu ADOREI o filme, muito divertido!

Abraços, boa semana!

Kamila disse...

Esta pode ser uma obra totalmente constrangedora, mas Dudu, me perdoe, eu irei assisti-la!! rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs

Beijos!

Vulgo Dudu disse...

Otávio, a protagonista nem compromete tanto. O que me deixou constrangido foi o argumento mesmo. Sabe, eu tenho uma crítica realmente forte ao excesso de consumo, principalmente quando ele é dirigido pelo país que mais consome e descarta no planeta (pelo menos por enquanto).

Alex, definitavamente, nossos gostos não andam batendo, hein? rs...

Kamila, nem precisa pedir perdão. Tem muita gente gostando. É que, como expliquei ali em cima pro Otávio, eu tenho uma posição um pouco intransigente ao consumismo estadunidense.

Bjs e abs!