quarta-feira, fevereiro 04, 2009

#12 - O leitor (The reader), de Sthephen Daldry


Lembra daquele garotinho que contracenava com a Xuxa em cenas tórridas no filme Amor, estranho amor, de Walter Hugo Khouri? Que moleque não gostaria de ter a rainha dos baixinhos como instrutora sexual? Muita gente dizia: ah, garoto de sorte - pegou a Xuxa e, de quebra, a Vera Fischer! Porém, passado algum tempo, o tal petiz nunca mais conseguiu trabalhar como ator e se lançou no mercado de filmes pornográficos. Era o que me vinha à cabeça enquanto assistia a O leitor.

Esse prólogo da vida real serve como espelho, guardadas as devidas proporções, para o argumento do filme de Stephen Daldry, baseado em romance homônimo. Na tela, Kate Winslet interpreta uma moça balzaquiana que inicia sexualmente um jovem estudante de 15 anos. Opa, que moleque não gostaria de ter Kate Winslet como instrutora (o papel quase foi de Nicole Kidman. Nada mal, hein)? As marcas desse relacionamento, porém, influenciam para sempre a vida de ambos. Como o garotinho que traçou a Xuxa, Michael, o protagonista de O leitor, parece carregar consigo um fardo.

Argumento interessante, mas mal explorado. Durante a primeira metade de projeção, quando o casal é apresentado ao público, o filme tem ritmo. Bem filmado, bem fotografado, bem interpretado. Winslet se apresenta com uma sensualidade dura, bruta, sofrida e convincente. As melhores sequências derivam justamente da troca estabelecida entre os dois: ela oferece o sexo e ele, a leitura de clássicos. As cenas de coito são muito bem enquadradas, na dose correta, com certo lirismo, evitando interpretações mais acaloradas que sublinhariam a pedofilia como tema central.

O problema é que o argumento se esgota logo na primeira metade do filme. O resto é encheção de linguiça típica de grandes produções. Para tentar deixar a trama mastigada e explicadinha para o espectador, somos conduzidos a uma série interminável e cansativa de epílogos, que só fazem com que a trama se arraste. São tantos lugares e épocas diferentes, que vez em quando se torna irritante a tarefa de se situar no contexto do filme.

Cinco indicações para o Oscar e uma conclusão: não é um filme horrível, mas está longe de ser bom...

12 comentários:

jeff disse...

hahaha! Eu fiquei com uma puta inveja do David Kross nas primeiras cenas. O cara é mais novo que eu e teve aquelas cenas com a Kate Winslet!!!
Enfim... Não discordo do seu comentário, acho que tivemos uma opinião bem parecida até, mas eu gostei um pouco mais que você. É triste que poderia ter sido muito melhor se não investisse em tramas falhas.

[]s!

Ramon disse...

Dudu... sabes que sou fã das tuas resenhas. Volta e meia elogio os seus textos. Por isso tenho crédito quanto ao que vou falar;
Essa comparação com a história do menina que "pegava" a Xuxa não tem nada haver com o filme.
Sim, é claro, essa história de iniciação sexual e tal, faz sentido. Mas para por aí. O filme é muito maior que isso. Gostei bastante da segunda parte, das ponderações sobre a falsa justiça que estava sendo feita no tribunal.
Achei o filme bem redondinho, com uma história bastante interessante.
Mas as indicações ao Oscar me parecem equivocadas sim. Nisso concordo.

Abs!

Kau Oliveira disse...

Aiiii, não li o texto pq assisto agora, hahahahahahaha. Depis comento!

Abraços!

Kamila disse...

Nossa, Dudu!! Esperava que você gostasse deste filme. Eu, por exemplo, tenho altas expectativas em relação à "O Leitor" porque amei o último trabalho da dupla David Hare-Stephen Daldry ("As Horas").

Vulgo Dudu disse...

Jeff, pois é, concordamos que não é um filme que empolga. E que o começo até é bom, mas se perde... E pergunto, quem é melhor para insinar o ipsilone: Xuxa ou Kate Winslet?

Ramon, como fã (obrigado!)você tem todo o direito de achar que errei a mão. E por favor, me avise quando assim julgar! O lance da Xuxa, eu escrevi ali "guardadas as devidas proporções" justamente por isso. O leitor é um filme que tem conteúdo. Mas eu não conseguia parar de pensar no caso de Amor, estranho amor por causa dos danos, morais e psicológicos, que o protagonista sofre. Sério, confesso que até pensei em tirar o primeiro parágrafo dessa resenha, porque me achei meio equivocado. Mas acabei deixando, por ser uma opinião sincera.

Kau, depois diga o que achou!

Kamila, conhecendo o seu perfil cinematográfico, eu aposto que você vai se decepcionar pelo menos um pouquinho. Como disse no fim da minha resenha: não é uma merda, mas está longe de ser bom!

Bjs e abs!

Kau Oliveira disse...

Dudu, publiquei o texto agorinha. Não gostei muito do filme...

Abs!!

Vulgo Dudu disse...

Kau, fui, li, comentei! Sabia que você não se empolgaria tanto assim...

Abs!

Pedro Henrique disse...

Assim que terminar o livro vou ver esse filme que espero gostar muito!

Abraço!

Vulgo Dudu disse...

Pedrão, será que vai gostar muito? Normalmente os livros são bem melhores que os filmes. O filme é bom, mas poderia ser bem melhor.

Abs!

Rafael Carvalho disse...

Vi agora há pouco e gostei do resultado, embora não merecesse tanta repercusão assim. A segunda metade tem mesmo uma queda de narrativa, mas é totalmente coerente com o resto do filme. E por mais que a Winslet esteja muito bem, ainda prefiro a atuação dela em Foi Apenas um Sonho.

Ramon disse...

Rsrs! Blz!

Vulgo Dudu disse...

Rafael, au ainda não vi o Foi apenas um sonho. Mas quanto à queda no rendimento do roteiro, acho que isso é citado na maioria dos blogs!

Abs!