quarta-feira, janeiro 28, 2009

#10 - Dúvida (Doubt), de John Patrick Shanley


Meryl Streep e Philip Seymour Hoffman, dois monstros consagrados do cinema contemporâneo, estarão presentes à cerimônia de entrega do Oscar concorrendo a Melhor Atriz e Melhor Ator Coadjuvante. As indicações, merecidíssimas, são fruto do belíssimo e intenso trabalho que ambos realizaram em Dúvida, uma adaptação da peça homônima de John Patrick Shanley - também roteirista e diretor do filme - que tem nos diálogos uma força realmente extraordinária.

Não é à toa que o texto foi agraciado com um Pulitzer em 2005. A história, ambientada na década de 60, mostra um embate verbal poucas vezes visto no cinema. De um lado do ringue, uma freira ortodoxa que tenta provar, mesmo sem evidências concretas, que um padre liberal, que por sua vez está do outro lado ringue, abusa sexualmente de um menino negro de apenas 12 anos. O que se vê, ou se ouve, ou se lê nas legendas, é o uso da retórica a serviço de deus.

Em uma busca frenética pela confissão do delito, os argumentos vão fazendo com que a dúvida fique pairando acima das cabeças de todos os envolvidos no caso. O grande barato do texto é justamente não tomar partido e fazer com que o espectador em certas horas ache que o padre é uma vítima de calúnias e em outras, um monstro. As cenas de discussão são realmente empolgantes!

Shanley nem teve tanto trabalho para que o texto funcionasse na tela grande, pois a dupla protagonista dá um verdadeira aula de interpretação. Porém, alguns elementos não se adaptam tão bem à linguagem cinematográfica. Por exemplo, há tomadas em ângulos verticais que não deixam claro o propósito do diretor. Uma ventania inexplicável, que pontua os momentos de tensão do filme, também perde a força que teria em um palco italiano. E dá para imaginar que a última linha seja muito mais impactante se dita no teatro.

Prato cheio para quem gosta de bons textos! Recomendo.


PS: Nem fiz trocadilhos com a palavra "dúvida"...

8 comentários:

Kamila disse...

Dudu, eu quero muito assistir "Dúvida", não só porque acho a premissa do filme interessante, mas por causa do elenco, que só tem atraído elogios. E, como eu gosto de ótimos roteiros, estarei na primeira fila da sessão de estreia do longa na minha cidade. :-)

jeff disse...

Dudu, também gostei muito do filme. O melhor do ano até agora. A única ressalva que faço é quanto a última fala, por ser tudo o que eu não gostaria de ouvir daquela personagem [evitando spoiler]. E acho que só eu não gostei. hehe

"PS: Nem fiz trocadilhos com a palavra "dúvida"..."
haUHAUhaUHUAhua Ao escrever também sobre o filme, foi uma tentação. xD

[]s!

Vulgo Dudu disse...

Kamila, vale todo esse esforço! O texto é realmente um diferencial.

Jeff, gostei muito também, mas pra mim o melhor até agora foi Rumba. Quantoà frase final, estava discutindo isso hoje com minha mulher, que inclusive trabalha com teatro. Acho que, no palco, a fala funciona, tem força. Mas no cinema, de fato, ela perde totalmente o impacto. Imagine só um pano caindo logo depois daquilo, com as luzes se apagando? Muito mais corrreto e bacana do que uma câmera se afastando, abrindo o plano. E eu me segurei para não fazer o trocadilho! hahahahaha!

Bjs e abs!

Kau Oliveira disse...

Dúvida é o filme que mais espero! Isso pq sou fã de Philip e Amy e pq Meryl é minha atriz preferida. Além do mais, deve ser interessante ver um filme tão intenso assim saído do teatro.

Abraços!

Rafael Carvalho disse...

Elenco e roteiro parecem saltar aos olhos nesse filme. Curiosíssimo para ver e parece o tipo de filme denso e corajoso que deixa muita gente desconfortável.

Vulgo Dudu disse...

Kau, é realmente interessante. Tem todos os ingredientes para que você saia do cinema pleno, satisfeito!

Rafael, não sei se o filme deixa o espectador tão desconfortável assim. Deixa impressionado, sem dúvida (olha o trocadilho, mas foi sem querer...). E as atuações são realmente assustadoras, no bom sentido!

Abs!

PEDRO TAVARES disse...

Os trocadilhos com o título do filme são inevitáveis! hahaha

Ótimo filme!

Vulgo Dudu disse...

Pedro, dá vontade de escrever que "não há dúvidas" sobre alguns aspectos do filme. Mas me segurei... rs...

Abs!