sábado, novembro 22, 2008

#91 - A bola da vez (Sixty six), de Paul Weiland


Pela capa, pelos atores, pelo roteiro e pela sinopse, A bola da vez parece ser uma boa pedida para quem procura uma comédia leve, com humor britânico refinado. Porém, muita gente vai se surpreender quando levar o filme para casa. E vai querer amaldiçoar o danado que não catalogou o filme como drama. Dramalhão, para ser mais correto.

Espia: um jovem judeu desajustado, maltratado no colégio e ofuscado pelo irmão mais velho está prestes a virar homem, ou seja, a dias de comemorar seu Bar Mitzvah. Porém, para sua infelicidade, a data coincide com a final da Copa do Mundo de 1966, sediada pela Inglaterra - que viria a ser, inclusive, a campeã. Não bastasse a impopularidade escolar, sua festa ainda corre o risco de ser um fiasco, esvaziada pelo certame. Ele logo passa a estudar sobre futebol e a torcer contra a seleção inglesa.

Há um tempo defendo a idéia de uma nova prateleira em todas as videolocadoras sinalizando os "dramas cômicos". Nesses casos, o foco deixaria de ser o riso fácil. A bola da vez é assim: quase não tem graça, no sentido lúdico do predicado - o que, graças ao bom e interessante argumento, não é ponto negativo. Boas interpretações ajudam a manter o ritmo do filme até os minutos finais, quando uma "mensagem" acaba indispensável para agradar os espectadores perplexos com o tanto de tragédia que o menino sofre. Apesar de um desfecho auto-explicativo, com direito a narração, a história é bem contada. Mas é drama!

Guardadas as devidas proporções, é como se fosse O ano em que meus pais saíram de férias dos britânicos: o olhar forçosamente amadurecido de uma criança sobre a vida, tendo como cenário um fato histórico.

4 comentários:

Kau disse...

Dudu, leu minha mente. Juro! Depois que assisti, fui devolvê-lo e disse para o atendente da locadora: ''cara, como vcs colocam este filme em comédia???''. Hahahahahahahahaha, tem umas tiradas ótimas, mas no geral é bem dramalhão mesmo.

Boa semana!

Kamila disse...

Dudu, pelo jeito, "O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias" é bem melhor que este filme. Você chegou a assistir a obra do Cao Hamburger? O que achou dela?

Kau disse...

Ahhh, completando: realmente acho o filme nacional bem melhor.

Vulgo Dudu disse...

Kau, essa idéia da prateleira de dramas cômicos nem cai mal, hein?

Kamila, achei O ano em que meus pais saíram de férias bem melhor também. Além de ser mais próximo da gente. Se você quiser ler minha opinião, ele está resenhado aqui no blog!

Bjs e abs!