sábado, setembro 06, 2008

#70 - Repulsa ao sexo (Repulsion), de Roman Polanski


Dia desses eu em casa, sem nada para fazer, julguei que seria uma boa idéia ver um filme sozinho, de madrugada e no escuro. Ainda mais um clássico, Repulsa ao sexo, de 1965. Porém, ignorei o fato do diretor ser Roman Polanski...

Fazia tempo que eu não ficava tão apreensivo com suspenses. E olha que não há nada de mirabolante na película a não ser a magistral direção de Polanski. Utilizando-se de recursos comuns como iluminação, enquadramentos, trilha sonora e edição, o diretor cria uma narrativa densa e provocativa para contar a história de uma jovem reprimida sexualmente que, trancada em seu apartamento, começa a ter alucinações que envolvem estupro, surrealismo e mania de perseguição. Sinistro!

Os melhores filmes do gênero thriller psicológico viram histórias da carochinha perto de Repulsa ao sexo, que faz parte de uma trilogia que se completa com os também assustadores O bebê de Rosemary e O inquilino. Os três tratam sobre a opressão e a solidão causadas pela vida nas grandes metrópoles.

Quanto à interpretação, a bela e muito competente Catherine Deneuve dá conta do recado no papel de Carole Ledoux, a pobre vítima. O filme começa e termina em seus olhos, absortos no nada e irritantemente lacônicos.

Filme para ser visto preferencialmente de dia. Se for à noite, que seja de luz acesa.

11 comentários:

Kamila disse...

Não assisti ainda nem "O Bebê de Rosemary" e "Repulsa ao Sexo". O Polanski fez estas obras depois da morte da Sharon Tate, sua esposa, não foi? Talvez isto explica os sentimentos que as obras passam.

Bom final de semana!

Pedro Henrique disse...

Polanski é mestre. Esse é um dos poucos filmes dele que não vi. Na minha opinião, "O Bebê de Rosemary" é sua grande obra-prima.

Abraço!

Luiz Henrique Oliveira disse...

É pelo simples fato de ser Polanski na direção que faz esse filme ser fenomenal, fosse qualquer outro diretor e não teria a mesma força. Só o gênio desse diretor fabuloso é que poderia filmar uma história como essa e deixar a gente assim, apreensivo, hahahaha.

Grande abraço.

Vulgo Dudu disse...

Kamila, a Sharon Tate morreu em 1969 - ou seja, dessa trilogia, só O inquilino foi feito depois da tragédia. Mas suas obras nunca deixaram de ser densas.

Pedro Henrique, o meu favorito dele é A dança dos vampiros.

Luiz, as cenas de alucinações nesse filme me lembraram muito as de Pi, do Aronofski - que são assustadoras. Polanski servindo de inspiração!

Bjs e abs!

Sérgio Déda disse...

Só pelo fato de ser de Polanski me faz querer assistir...
Fiquei animado com seu texto..

vlws

Kamila disse...

Dudu, obrigada pela informação!

Vulgo Dudu disse...

Sérgio, se você curte Polanski vai adorar esse filme! Sem dúvida.

Kamila, de nada! Esse blog tá aqui para fazer as idéias e as informações circularem! Eu acho que já contei essa história, que eu tive um profesor na faculdade que ficou amigo do Polanski - e ele contava pra gente como a morte da Sharon Tate abalou o diretor. Era quase que um tabu.

Bjs e abs!

Kamila disse...

Dudu, eu assisti ao E! True Hollywood Story sobre a Família Manson e fiquei chocada com o que eles fizeram com a Sharon Tate. O E! reconstituiu tudo o que aconteceu na casa dos Polanski, a maneira como ela implorou pela vida dela e do nenê. Uma coisa horrorosa!

minicontosperversos disse...

cara, que saco!

vc escreve e dá uma TREMENDA vontade de ver tudo. ou ver de novo.

nosso voto de protesto aqui!

Vulgo Dudu disse...

Gustavo, infelizmente a intenção é essa mesmo.. rs... Isso quer dizer que de vez em quando eu consigo?

Abs!

Joe disse...

Cara, acabei de ver esse filme. E por coincidencia, nas mesmas circunstancias que vc: madrugada, sozinho no meu quarto, tudo escuro, hehe. Não foi intencional. Mas essa atmosfera toda me fez "entrar" no filme e no universo de Polanski. Por isso aconselho a assistir sozinho mesmo, no escurão e tal... Claro, se vc gosta de emoçoes fortes.
=)

Grande abraço