quinta-feira, junho 05, 2008

#45 - O banheiro do Papa (El baño del Papa), de César Charlone e Enrique Fernández


Pelo título, é possível imaginar o Papa arriando a batina, sentando na latrina e, por que não, já que o assunto se mantém na escatologia, dando aquela boa cagada. E é possível, também, imaginar como seria o banheiro: recheado de ouro, pomposo, enorme, imponente. Porém, não é nada disso que acontece em O banheiro do Papa, muito pelo contrário.

O filme é baseado em fatos reais. Cobre o período em que o Papa João Paulo II visitou o Uruguai e é ambientado em um humilde vilarejo, limítrofe com o Brasil. Em razão da passagem do pontífice, muitos moradores gastaram suas economias na esperança de faturar um trocado com o possível movimento turístico na região. Beto, um mercador local, acostumado a negociar muamba brasileira, tem uma idéia: construir um banheiro para que a esperada horda de peregrinos aliviem suas necessidades fisiológicas.

O argumento é muito interessante. A religião e seu mercantilismo são o foco de uma discussão que vai muito além de dogmas. A fé daqueles que vivem na miséria é posta à prova. Porém, o bacana mesmo desta produção latina, mais do que o roteiro, é a montagem. A fotografia é extremamente bem cuidada - talvez pelo know-how do diretor César Charlone, responsável pela festejada direção de fotografia de Cidade de Deus.

O desfecho é criativo e inusitado. Se eu contar mais, perde a graça.

10 comentários:

Kamila disse...

"O Banheiro do Papa" estréia amanhã por aqui, e seu texto foi um ótimo aperitivo antes da sessão. Quando eu assistir ao filme, volto aqui para comentar melhor.

Rogerio disse...

kkk, que comédia deve ser isso. A premissa é excelente. Como eu nunca tinha pensado nisso????
Abs e bom fim de semana Dudu!

Pedro Henrique disse...

Bom saber que o final é interessante. Quero muito ver esse filme!

Abraço, Dudu!

Sérgio Déda disse...

Perdi a chance de ver este filme, ficou em cartaz por apenas duas semanas e não tive tempo de conferir.. mas espero assistir logo, pois estão falando muito bem..

Gostei muito do seu blog.. v se dah uma conferida no meu tb.. te adicionei na minha lista..

vlws

Vulgo Dudu disse...

Kamila, o meu palpite é que você vai gostar! Veremos...

Rogerio, A idéia é realmente ótima, mas será que deu certo? Só conferindo! rs... Apesar do tema cômico, é um filme bem conduzido, com a dose certa de drama. Muito bom!

Pedro Henrique, sabe quando você pensa, lá pro final do filme, "putz, e agora, como ele vai resolver esse roteiro"? Pois então, o filme se sai muito, mas muito bem!

Sérgio, por aqui, no Rio, também saiu de cartaz rapidinho. Uma pena... Obrigado pela visita! Vou lá conferir o seu canto.

Bjs e abs!

Kamila disse...

Dudu, você estava certíssimo! Eu gostei muito desse filme! A premissa é inusitada demais e muito bem trabalhada. Mas, ao contrário de você, achei o desfecho muito triste, porém real demais. Me deu uma dor no coração ver tanta euforia sendo confrontada com aquele choque de realidade....

Vulgo Dudu disse...

Sabia que você ia gostar, Kamila! Porém, o final a que me refiro é a última linha de Beto. A última e derradeira, lembra-se? Sepois de mostrar justamente aquela realidade avassaladora, a saída para um desfecho leve foi perfeita!

Bjs!

Kamila disse...

Sim, claro! A última fala do Beto é sensacional e muito bem-humorada. Que prova que, mesmo na "desgraça", existe motivo para se rir, para se tentar recomeçar. Fantástico!

Lívia disse...

Putz, já ouvi vários comentários positivos, mas não estreou aqui na Argentina... acho que vou ter que baixar o piratão.

Abraços

Vulgo Dudu disse...

É Lívia, de vez em quando é preciso apelar para termos acesso à cultura. Uma pena. Mas se não fosse a banda larga, não poderia ter conferido esse filmaço. E pelo que li no seu blog, levando-se em conta a sua postura sócio-política, você vai adorar.

Seja bem-vinda por aqui e volte sempre.

Bjs.