domingo, março 09, 2008

#22 - Amor pra cachorro (Year of the dog), de Mike White


Eu sabia que estava me arriscando. Porra, Amor pra cachorro? Minha cônjuge quis alugar essa pérola que estava na estante da locadora por causa de cachorros. De fato, a capa era cheia deles, das mais diversas raças. E eu juro que vi o filme de coração aberto. Afinal, quem não gosta de cachorrinhos?

Ou estou ficando ranzinza demais, ou insensível demais, ou implicante demais, ou algum outro adjetivo pejorativo desses. Porque não dá. Trata-se de uma comédia romântica que não tem nada de comédia e muito menos de romance. A não ser que os personagens confessassem uma zoofilia, que fica latente o filme inteiro. No final das contas, Mike White, que assinou bons roteiros como Escola do Rock e Nacho Libre, faz um filme que perde o fio da meada e se transforma numa espécie de dramalhão psicológico.

É assim: uma moça boazinha, altruísta, tímida e, obviamente, solitária, tem com seu cachorro a única relação de amizade e companheirismo que conhece. Um dia, logo nos primeiros minutos, o cão morre. Com a impossibilidade e incapacidade de conseguir se relacionar com homens exacerbada, ela passa a sofrer e a se consternar com o mundo animal. Se torna, então, uma ativista ecológica.

Tudo é forçado em Amor pra cahorro, do título à montagem, passando pela edição e pela trilha sonora. Cinema em sua face de mercantilismo prático. É como aquelas comidas que já vêm embaladas para serem cozinhadas no microondas. Até a duração do longa foi cuidadosamente providenciada: 90 minutos; sendo 30 para ambientar a história, 30 para a problemática e mais 30 para a solução. Ponto.

A protagonista deste engodo cinematográfico é Molly Shannon, conhecida e respeitada comediante estadunidense, que participava, inclusive, do elenco fixo do Saturday Night Live. Sua caracterização é boa e segura. Mas o roteiro é tão ruim que eu passei o tempo inteiro contando os minutos para que acabasse logo.

Se era para ver cachorrinhos, melhor ter ligado a TV no Animal Planet.

7 comentários:

Kamila disse...

Gosto muito da Molly Shannon, mas ela não dá sorte na carreira cinematográfica.

Do Mike White, te recomendo um filme melhor: "Por um sentido na Vida", com Jennifer Aniston e Jake Gyllenhaal.

Vulgo Dudu disse...

Kamila, dei uma olhada nesse filme que você recomendou do Mike White, mas confesso que não me animei... hahahaha... Acho que vou deixá-lo, o diretor, na geladeira.

Bjs!

Debora Hegedus disse...

huahuahuahua ficou até com raiva dela... "conjuge" é foda!


hahahahaha

Vulgo Dudu disse...

Debora, nem fiquei.. hahahaha... Ela é um doce. Fiquei com raiva do filme!

Bjs!

Anônimo disse...

É, você foi esperando uma comédia romântica bobinha pelo jeito. Onde a mocinha se apaixona e sofre por um bonitão. O filme vai além disso, fala sobre como uma mulher pode ter outras paixões que não sejam homem, homem e homem. Os animais e a causa do veganismo foram apenas exemplos de como isso é possível. É um filme diferente, dá para entender o seu estranhamento. Só não dá para entender o que você viu de forçado. Pelo jeito você gosta de filmes com as mocinhas do momento.

KA disse...

Concordo em dois pontos: ranzina e insensível. Você realmente não entendeu nada....

Vulgo Dudu disse...

É, não entendi nada mesmo. E continuo não entendendo como tem gente que gosta desse tipo de filme.

Porém, cinema é como traseiro > cada um tem o seu...