sábado, janeiro 12, 2008

#4 - Quarto 666 (Chambre 666), de Wim Wenders

É muito reconfortante saber que há gente interessada em, além de fazer cinema, discutir o fazer cinematográfico, o papel dos filmes e, por conseguinte, discutir o seu futuro. Foi o que um dos meus cineastas favoritos, Wim Wenders, propôs em seu média-metragem "Quarto 666".

Durante o festival de Cannes de 1982, o diretor reuniu um time de primeira categoria de realizadores para discutir o assunto. A concepção foi a mais simples possível. Em um quarto de hotel, com uma TV ligada, solitariamente, cada um dava seu depoimento sobre diversas reflexões levantadas por Wenders. Por exemplo: os filmes estão ficando cada vez mais televisivos? Os videocassetes vão acabar com as salas de cinema? Vivemos a era da morte da arte cinematográfica? Tópicos que mais tarde, em 1994, Wenders retomaria no fantástico “O céu de Lisboa”.

As opiniões são as mais diversas possíveis. Algumas rasas, outras extremamente contundentes. O mais interessante é perceber os contrastes que já existiam na época entre cinema de arte e cinema comercial - além da constatação de uma produção romanesca de todo o conteúdo da TV. Novas tecnologias (para a época, claro) também entram em atrito com os mais conservadores.

Só um Wim Wenders para reunir tanta gente boa. Ficou claro que as minhas escolhas como cinéfilo foram felizes, pois batem com as minhas convicções. Godard, Antonioni e Herzog dão um show à parte.

Spielberg só fala de cifras. Em dólares.

6 comentários:

Kamila disse...

Nos intervalos do Cinemax têm uma idéia parecida com essa. Eles colocam segmentos de atores, atrizes, diretores e roteiristas falando sobre cinema, sobre a arte, o negócio. É bem legal. Mas, com certeza, não deve ser melhor do que esse filme. :-)

Ramon Scheidemantel disse...

Muito legal, o dia que econtrá-lo vou conferir!

Abraço!

Felipe Nobrega disse...

Bah... você falou do filme e é incrível como ainda tenho "O Céu de Lisboa" e suas imagens na cabeça - assim como "Até o Fim do Mundo" e uma cena lírica que a a mulher que não enxerga volta a ver... só vendo... pena que WEnders não ande muito bem "das pernas" e entregue filmes tão meia-bocas.

Rodrigo Fernandes disse...

cara, eu vi essa coleção e fiquei me coçando inteiro pra compra-la,heheh...
tenho só um da coleção que é o "asas do desejo" belissimo filme por sinal...
abraços

Vulgo Dudu disse...

Kamila, esse é um daqueles filmaços que pensam o cinema. E nada melhor do que gente tarimbada para falar do assunto. E olha que é de 1982...

Ramon, eu sei que nas grandes lojas, tipo Saraiva Megastore, tem toda essa coleção da Europa sobre o Wenders.

Felipe, eu concordo com você que os recentes trabalhos do Wenders não se comparam aos antigos. Porém, discordo sobre os mesmos serem meia-boca. Na minha opinião, são muito melhores que muita porcaria superestimada que tem por aí...

Pessoal, valeu pelos comentários! Bjs e abs!

Vulgo Dudu disse...

Rodrigo, "Asas do desejo" realmente é um clássico. No "Quarto 666", você pode perceber toda a discussão que permeia a obra do Wenders. Vale muito a pena!

Obrigado pela visita, abs!