sexta-feira, novembro 09, 2007

#81 - Machuca, de Andrés Wood


E depois de um longo e tenebroso, e põe tenebroso nisso, início de primavera, com direito à suspeita de dengue e testes de estresse, eis que meu pequeno e horroroso DVD player portátil rodou um filme novamente. Quase que não roda, é verdade. O disco chegou a patinar algumas vezes, mas no final deu tudo certo.

E novamente, como em "Desaparecido", o cenário desta realização do competente diretor Andrés Wood é o Chile. Mais precisamente, Santiago prestes a sofrer o golpe militar do dia 11 de setembro (é, a América Latina também tem seus lamentos decimais...) de 1973, apoiado pelo governo estadunidense. O filme conta a história de dois meninos que se aproximam, apesar do abismo social que os separa, graças à política de inclusão de uma escola liderada por um padre britânico. Gonzalo Infante, moleque bochechudo e de feições européias, conhece Pedro Machuca, filho de proletários que vive em uma das diversas favelas da capital chilena. A amizade dos dois vai se fortalecendo em meio ao caos político que toma conta do país. Valores familiares, religiosos e políticos são postos à prova.

É inevitável não estabelecer uma semelhança entre "Machuca" e "O ano em que meus pais saíram de férias". Os dois falam sobre regimes ditatoriais, perseguição política e esperança sob a ótica infantil. As crianças dão um show de interpretações, com atuações extremamente convincentes. A reconstituição de época também é perfeita. A grande diferença entre os dois filmes, porém, é a carga dramática. O nosso hermano chileno é um pouco mais denso, uma vez que o petiz que dá nome ao título é vítima do sistema opressor. Entretanto, não se preocupe: não há uma gota de sentimentalismo, clichês ou pieguice.

Filmaço!

Indicação de um grande camarada, Rodrigo, sujeito engajado e consciente, que tem um trabalho muito interessante de frases urbanas. Assim que ele arrumar um fotolog, website ou qualquer outra coisa que o valha, eu ponho o link aqui para vocês.

4 comentários:

Kamila disse...

Concordo plenamente com o paralelo entre "Machuca" e "O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias". Os dois filmes são lindos e realizações muito boas de seus diretores, com ótimas atuações do elenco infantil.

Bom final de semana!

Museu do Cinema disse...

Melhoras ai Dudu!

Bom, como apaixonado por Santiago e pelo Chile, e tb por temas politicos, sinto-me na obrigação de ver esse filme! Voltaremos a debatê-lo!

O Chile é o país mais político que conheço, e não essa política descarada que conhecemos.

Wiliam Domingos disse...

"O ano..." eu vi e não aprovei no que esperava, mas em outros aspectos sim...!
Talvez eu encontre em Machuca, o que queria ver em O ano...um filme mais denso, sério...a fundo do que propôs!
Estava estudando o Chile no colégio, meu professor não resisitiu ao 11 de Setembro...latinos tb tem um, mas ninguém se lembra!
O Chile é um palco maravilhoso para o cinema...
Abraço! (Tem Mr. Mestre Pedro Almodóvar no Eco Social)

Rafael Carvalho disse...

A relação entre Machuca e O Ano é bastante interessante, nem sei dizer qual dos dois é melhor, mas o filme chileno realmente é mais denso. E a história é desenvolvida com maestria e finalizado de forma ideal. Belo exemplo do cinema chileno.