domingo, agosto 26, 2007

#52 - The Immoral Mr. Teas, de Russ Meyer


Se nós, jovens (balzaquianos, uni-vos!), tínhamos Cine Privê, Sexta Sexy e Sessão Nacional, nossos pais tinham Russ Meyer! Grande sujeito, responsável pelos primeiros filmes repletos de peitinhos e bundões desnudos, despudorados e, de certa forma, comportados.

Este clássico do cinema erótico é uma produção de 1959, de baixo custo e muita criatividade. Em pouco mais de uma hora, Mr. Teas, um vendedor de próteses dentárias, tem alucinações e consegue ver o que há por baixo das vestimentas de mulheres insinuantes - tudo isso por causa de uma anestesia que ele toma ao ser atendido por um dentista.

Guardadas as devidas proporções, Mr. Teas é uma espécie de Jacques Tati excitado. Impossível não traçar algum paralelo entre os dois. Além do filme não ter som direto, o ator usa de certa pantomima para criar situações engraçadas. O figurino também faz lembrar o comediante francês: uma inseparável bicicleta e um chapéu branco de laço azul.

A narração do filme é maravilhosa. Claro, não há muito o que narrar. Por isso mesmo, o texto traz informações aleatórias, desconexas com a trama, que são hilárias. Enquanto os peitinhos desfilam debaixo do sol, somos informados sobre o bem que a luz solar faz não só ao ser humano, mas também às plantas, que realizam fotossíntese.

Assistido em uma sessão do mais recente cineclube carioca: o CineGostoso, excelente idéia da galera que já agita o Sex_Arte. O local de exibição, o salão do Hotel Paris, de... digamos... "alta rotatividade", não podia ser mais apropriado!

E em breve, mais clássicos do gênero! Ah, esse cine clube promete...

3 comentários:

Rachel Balassiano disse...

Super Dudu e seus textos incríveis! Adorei. Pra variar... E pensei exatamente a mesma coisa enquanto assistíamos antes da exibição: Mr Tees é o Jacques Tati tarado!
Pena que você não terminou de ver o Fuk Fuk à Brasileira... Adoraria ler sua crítica sobre essa obra-prima da boca do lixo! Veleu! Beijos, Rachel

Happy Pills disse...

Eu nem vi esse filme.

Mas gostei do seu texto. Sem pretensões "jornalóides", o melhor.

E morri de rir com teus posts no Mondo Redondo. Sutis como uma bomba nuclear.

Mas pra que eufemismos, não é mesmo minha gente? Joga logo a merda no ventilador que é o melhor a ser feito, anyway.

No mínimo, algumas risadas estão garantidas.

A Especialista disse...

"Enquanto os peitinhos desfilam debaixo do sol, somos informados sobre o bem que a luz solar faz não só ao ser humano, mas também às plantas, que realizam fotossíntese."
pq será que me identifiquei tanto com o narrador???
huahuauhauhauauhuahahua.
Como sempre, assinatura perfeita, DUDU!!

bj´s