sexta-feira, agosto 03, 2007

#44 - Justiça, de Maria Augusta Ramos


Esta é uma palavra que, em nosso país, ganhou contornos mais grossos, conotações diversas e que sempre gerou muita polêmica. A justiça, sendo ela divina ou humana, cega ou caolha, lenta ou eficaz, está em questão neste belo documentário de Maria Augusta Ramos.

Durante cem minutos, a câmera passeia pelos corredores frios dos tribunais, pelas salas de estar das casas de juízes, pelas abarrotadas celas da Polinter, pelos barracos dos parentes de condenados, pelas sessões de depoimento. Enfim, somos levados à todas as personagens envolvidas em uma ação criminal. E é você, como mero ouvinte e vidente, quem bate o martelo.

Graças à perfeita produção, "Justiça" apresenta provas e cenas contundentes, que fazem refletir sem sentimentalismo ou parcialidade - corriqueirismos comuns ao direito. A diarista aqui de casa viu algmas cenas comigo, fez comentários pertinentes e disse que não tem pena de bandido. Meu pai passou por aqui, assistiu à meia hora final e comentou sobre o mal-estar que o filme causou no judiciário.

O que fica claro é que a justiça, essa palavra tão perseguida, é quase subjetiva. E que a justiça, na qualidade judiciária, se distancia cada vez mais da realidade brasileira.

Nenhum comentário: