sexta-feira, maio 25, 2007

#27 - Roberto Carlos e o diamante cor-de-rosa, de Roberto Farias


Tv a cabo tem dessas coisas. Tarde dessas, frio pra caramba, de folga, nada para fazer... e eis que zapeando a programação me deparo com este exemplar do antigo cinema brasileiro. Um clássico que mistura Jovem Guarda, fenícios, mitologia, formações rochosas e até samurais mágicos. Demais!

No roteiro, Roberto, Erasmo e Wanderléia vão atrás de um antigo tesouro guardado pelos fenícios. E aí, até chegarem lá, vão ter que provar que são bons de briga, de música, de volante e de malandragem. Tudo para dar errado. Mas é o Rei, ora bolas!

O filme conta com cenas produzidas em Israel, Portugal e Japão. Uma mega-produção que reunia os artistas que estavam no top das paradas naquela época. Tanto que foi um sucesso de bilheteria.

Imperdíveis são os números musicais, mesmo que você, assim como eu, deteste as músicas de Roberto Carlos. Mas vê-lo cantando "É preciso saber viver", do nada, mais pro final do filme, entre as sinuosas curvas da Avenida Niemeyer, pilotando um conversível, é muito bacana!

Falou, bicho!

2 comentários:

JO disse...

demais, sensacional, clássico!! não assisti não mas a cena da niemeyer sei qual é!!
mas ...por favor...se fosse uma tarde de sol, diz que vc tinha ido a praia, diz...

Lili disse...

Será que os filmes dos Trapalhões foram baseados nesse????