segunda-feira, março 26, 2007

#22 - Scoop, o grande furo (Scoop), de Woody Allen


Eu achei que fosse quebrar a cara de vez. Vinha de uma excelente seqüência de filmes de Woody Allen. Não cheguei a enterrar de vez a certa implicância que tenho com ele, mas me diverti um bocado.

Quando Allen não faz papel de escritor maníaco depressivo em crise que quer comer a psicóloga gostosa, e quando o roteiro não gira em torno da bizarra e estranha sexualidade foucaultiana, eu gosto do filme. Foi assim com várias películas, como "Zellig", "Poucas e Boas" e "Match Point". Aqui não é diferente. E, como acontece nos bons filmes dele, o roteiro é comum, criativo, curioso: o fantasma de um jornalista repassa a uma estudante uma pista do que pode ser um grande furo de reportagem - a identidade do serial killer conhecido como Assassino do Tarô.

A partir daí, o que se segue é uma enxurrada de piadas inteligentes, posicionadas milimétricamente nos bons diálogos. É quase impossível não rir aquele riso fleumático, sem exageros, gostoso.

As atuações estão ótimas. Woody ainda me incomoda um pouco com aqueles tiques e aquela gaguice que, a mim, parece forçosa demais (li que, quando criança, ele era gago de verdade. Será?). Porém, o casal Scarlett Johansson e Hugh Jackman está sensacional. O senhor Wolverine sem garras mutantes e roupa colante prova que é polivalente. Quanto à protagonista, parece que o casamento, não no sentido bíblico, com Woody Allen (no caso dele, é bom alertar) deu muito certo. Perfeita, com um roteiro pensado e escrito para ela.

Diversão garantida.

Nenhum comentário: