segunda-feira, fevereiro 05, 2007

#9 - Ruas de fogo (Streets of fire), de Walter Hill


Diz o subtítulo tratar-se de uma fábula rock. De fato, há uma gangue de motoqueiros vestidos em couro, há um mocinho de barba mal-feita (e suspensórios!) que carrega uma carabina, brigões de plantão nos balcões de bares, uma cantora famosa e números musicais com decorações em neon. Mas nem tão rock assim, uma vez que a canção que abre "Ruas de fogo" era também a canção que abria o programa de Gugu Liberato.

Fato este que, de forma alguma, prejudica este clássico que embalou muitas tardes dos anos 80 e madrugadas dos anos 90. Afinal de contas, um filme que tem Willem Dafoe na flor da idade, com cara de mal, muito mal, jeito de mal e uma excelente atuação, não pode ser ruim. E, de quebra, Rick Moranis, o eterno cientista nerd que encolhe as pessoas, fazendo papel de um baixinho folgado e inescrupuloso.

De resto, é quele enredo que você já viu. Os malvados seqüestram a bela cantora/mocinha, que tem um rolo mal resolvido com o mocinho. Ele aceita resgatá-la e passa por uma série de pancadarias, explosões e fugas. Apenas o final do filme é um pouco diferente do que estes argumentos costumam ter.

Parece desanimador pelos parágrafos aí em cima? Não se deixe enganar. É diversão iconoclástica garantida!

Um comentário:

Anônimo disse...

não desanimou ninguém não, Dux!! é isso mesmo!!