domingo, janeiro 28, 2007

#8 - Zelig, de Woody Allen


Depois de muito torcer o nariz para Woody Allen, eu ando quebrando a cara. Não que eu esteja ficando mais velho, mais maduro ou mais preparado para entender os filmes dele - como muita gente pode pensar. De jeito nenhum! É que só agora eu venho assistindo aos títulos certos.

Um deles é este aí, "Zelig", um documentário fake (como eu gosto de documentários fakes!) que conta a história do Homem-Camaleão. Leonard Zelig possui a estranha característica de ganhar as mesmas feições e traços de quem quer que esteja ao seu lado. Ele vira objeto de estudo para a comunidade científica e uma estrela de carreira meteórica para a grande mídia.

O filme mistura imagens de arquivo das décadas de 20 e 30 com cenas gravadas utilizando-se os mesmos recursos de antigamente. O resultado é uma divertida comédia, com um roteiro que dá margens à passagens incríveis. Como a que conta sobre a música que Cole Porter tentou fazer para Zelig, abandonada porque o compositor não achou nada que rimasse com o nome da celebridade.

Lá no fundo, bem lá no fundo, há uma severa crítica ao sistema que constrói e destrói ícones com espantosa facilidade. Utilizar a linguagem documentacional para desenrolar este argumento é genial.

Em épocas de Big Brother, vale repensar este assunto. Um bom passatempo para as mesas de bar.

Então, um brinde aos bons, mas somente aos bons, filmes de Woody Allen!

2 comentários:

Jo disse...

muito doido!!! muito bom!!

Jo disse...

lunático e fantástico!!